terça-feira, 25 de setembro de 2018

INÍCIO DA CATEQUESE

Sábado, 29 de Setembro do 2º ao 10º anos, 
nos horários e locais habituais.
Nota importante:
O 1º ano, terá o acolhimento às 11h00, na Capela de S. Martinho.
O 7º ano, às 14h30, na capela de S. Caetano, com CONVITE os pais para também estarem presentes.

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

CELEBRAÇÃO DO ENVIO

No sábado, 22 de Setembro, às 19h00, na Capela de S. Martinho, na celebração da Eucaristia, foi o culminar de uma tarde de alegria que quisemos também partilhar com toda a comunidade reunida.
Catequistas enviados a anunciar a Boa Nova de Jesus Cristo, acarinhado e acolhendo todas as crianças e pondo em prática as palavras que do Evangelho deste dia: «Quem receber uma destas crianças em meu nome é a Mim que recebe; e quem Me receber não Me recebe a Mim, mas Àquele que Me enviou». (Mc 9, 30-37)
Celebração presidida pelo Rev. Pe. José Guedes e animada pelo Grupo Coral das 19h00,  a quem agradecemos a colaboração. 
Em Acção de Graças, pela voz da Gisela, vieram os agradecimentos à Cristina e Virgínia pelo trabalho que ao longo de tantos anos desenvolveram no secretariado. Também as boas vindas aos novos elementos que integram o secretariado e aos novos catequistas que este ano vieram fazer catequese. 
Por tudo agradecemos e com o coro cantamos: Eu Te amo, ó Senhor / Deus em quem acreditei./ Ilumina os meus caminhos / e contigo avançarei.
Distribuição da planificação e de uma revista " A Mensagem" a todos os catequistas presentes, como recordação deste dia. 
Foi depois rezada pelos catequistas a Oração do Envio. Uma oração muito bonita e já conhecida, da autoria de D. Hélder Câmara 
 
 
Uma palavra de muito apreço para todos foi dita pelo Pe. José Guedes, enaltecendo ainda o facto de o grupo de catequistas contar com um grande número de jovens, o que é uma verdadeira bênção!
 A Missão começou! 
Que Jesus Cristo ilumine o caminho e renove o coração de cada catequista, fortalecendo-o na fé, na esperança e no amor, para que a missão seja bem-sucedida!

REUNIÃO DE CATEQUISTAS

Neste primeiro encontro, feito de forma simples e calorosa - com a disposição da sala diferente do habitual mas bem mais funcional – houve a distribuição de guias, catecismos e cadernetas. 
Seguiu-se o momento de oração e reflexão, continuando a reunião em acção formativa com o Pe. José Guedes e informativa com o Gil. 
Neste Ano Missionário que se vai viver, a Infância Missionária será também uma prioridade e a Gisela será responsável pela sua dinamização. 
No final, tempo ainda para momento de convívio à volta da mesa, com as guloseimas que os catequistas sempre trazem. 
A tarde encerrou com o mais importante, participação na celebração da Eucaristia na Capela de S. Martinho, com o ENVIO dos catequistas.

PAPA FRANCISCO COM JOVENS NA LITUÂNIA

Em Vilnius na Praça da Catedral o Papa Francisco encontrou-se com os jovens da Lituânia. Um significativo momento de oração, de música e de dança. E também de testemunhos aos quais se referiu o Santo Padre, dirigindo-se a Mónica e Jonas, dois jovens que narraram as suas experiências de vida. A este propósito, Francisco assinalou a necessidade dos outros para uma vida cristã:

“Não permitais que o mundo vos faça crer que é melhor caminhar sozinhos. Não cedais à tentação de vos concentrar em vós próprios, de vos tornar egoístas ou superficiais perante a dor, as dificuldades ou o sucesso passageiro. Reafirmemos que, «aquilo que acontece ao outro, acontece a mim»; andemos contracorrente relativamente a este individualismo que isola, que nos torna egocêntricos e vaidosos, preocupados apenas com a imagem e o próprio bem-estar.”

O Papa afirmou no seu discurso aos jovens lituanos que “a nossa verdadeira identidade pressupõe a pertença a um povo” pois não existem identidades que se façam em “laboratório”. O Santo Padre exortou os jovens a apostarem “na santidade a partir do encontro e comunhão com os outros”:
“Apostai na santidade a partir do encontro e comunhão com os outros, atentos às suas necessidades”.
O Papa assinalou ainda que “acreditar em Jesus implica, muitas vezes, dar um salto de fé no vazio, e isto causa medo”. Mas “seguir Jesus é uma aventura apaixonante que enche de significado a nossa vida” – declarou o Papa exortando os jovens a não terem medo de serem corajosos e de arriscarem participar na “revolução da ternura”. E isso vale a pena:
“Queridos jovens, vale a pena seguir Cristo, não tenhamos medo de participar na revolução a que Ele nos convida: a revolução da ternura.”
O Papa concluiu o seu discurso aos jovens lituanos convidando-os a “optar por Jesus” que nos dará “tempos amplos e generosos” “onde ninguém precisa de emigrar” – afirmou:
“Não tenhais medo de optar por Jesus, abraçar a sua causa, a causa do Evangelho. Porque Ele nunca descerá do barco da vossa vida, estará sempre na encruzilhada das nossas estradas, não cessará jamais de nos reconstituir, mesmo que às vezes nos empenhemos a demolir-nos. Jesus presenteia-nos com tempos amplos e generosos, onde há espaço para os fracassos, onde ninguém precisa de emigrar, porque há lugar para todos. Muitos quererão ocupar os vossos corações, infestar os campos das vossas aspirações com as ervas daninhas, mas no final, se dermos a vida ao Senhor, vencerá sempre o trigo bom.”

PAPA QUER CATEQUISTAS A ASSUMIR PAPEL DE PRIMEIROS ANUNCIADORES DA FÉ

O Papa enviou uma menagem a 1500 catequistas de 48 países, incluindo Portugal, reunidos no Vaticano, pedindo-lhes que sejam anunciadores da fé num mundo cada vez mais secularizado.

“A vossa palavra é sempre o primeiro anúncio para muitas pessoas que estão à espera de encontrar Cristo”, disse Francisco aos participantes no II Congresso Internacional de Catequese.

Numa intervenção gravada antes de partir para os países bálticos, onde se encontra em viagem, o Papa desafiou os participantes a não colocar a “lei, mesmo a moral”, antes do “anúncio tangível do amor e da misericórdia de Deus”.

Como aconteceu em 2013, num encontro com catequistas por ocasião do Ano da Fé, o pontífice sublinhou que esta é uma “vocação”, algo que se é, e não um trabalho que se faz.

A catequese é comunicação de uma experiência e o testemunho de uma fé que acende os corações, porque desperta o desejo de encontrar Cristo”.

O congresso é uma iniciativa do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé) e decorre até domingo, em Roma; ‘O Catequista, Testemunha do Mistério’ é o tema escolhido.

O bispo emérito de Santarém, D. Manuel Pelino, e o bispo auxiliar de Lisboa, D. Nuno Brás, da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé, integram a delegação portuguesa.

O sítio online Educris, da referida comissão, informa que todas as dioceses de Portugal estão representadas em Roma, por um elemento de cada um dos 20 secretariados diocesanos de catequese; participa também a equipa de trabalho responsável pelo novo plano de formação de catequistas.

http://www.agencia.ecclesia.pt/portal/vaticano-papa-desafia-catequistas-a-assumir-papel-de-primeiros-anunciadores-da-fe/

domingo, 23 de setembro de 2018

PAPA FRANCISCO: Viagem à Lituânia

O Papa Francisco encerrou hoje o programa oficial de dois dias de visita à Lituânia com uma oração na antiga sede do KGB em Vilnius, evocando as vítimas das repressões e perseguições do século XX.

“Senhor, não permitais que sejamos surdos ao grito de todos aqueles que hoje continuam a erguer a voz para o céu”, disse, durante a visita.

As passagens pelos memoriais às Vítimas da Ocupação e Lutas pela Liberdade, na Lituânia, e a Vítimas do Gueto, durante o Holocausto, com a deposição de flores, eram considerados momentos particularmente simbólicos da segunda visita de um Papa ao país, 25 anos da viagem de São João Paulo II.

Francisco foi acompanhado, entre outros, por D. Sigitas Tamkevicius, jesuíta e arcebispo emérito de Kaunas, que foi preso pelas autoridades comunistas e deportado para a Sibéria sob a acusação de promover atividades antissoviéticas.

No Museu da Ocupação e Lutas pela Liberdade, o Papa, D. Sigitas Tamkevicius e o arcebispo de Vilnius, D. Gintaras Grusas – que guiou a visita -, desceram às celas números 9 e 11, onde Francisco acendeu uma vela em memória das vítimas, entre eles vários bispos e religiosos católicos, seguindo em silêncio para as salas de execuções.

A oração pronunciada no local partiu, depois, de uma das frases pronunciadas por Jesus durante a sua crucifixão: ‘Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonastes?’ (Mt 27, 46).

“O vosso grito, Senhor, não para de ressoar, ecoando dentro destas paredes que recordam os sofrimentos vividos por tantos filhos deste povo. Lituanos e originários de diferentes nações sofreram na sua carne o delírio de omnipotência daqueles que tudo pretendiam controlar”, disse.

sábado, 22 de setembro de 2018

MISSÃO É PARTIR

Missão é partir, caminhar, sair de si.
É quebrar as crostas do egoísmo
que nos fecha no nosso eu!

Missão é parar de dar voltas 
ao redor de nós mesmos
como se fôssemos o centro do mundo, da vida.

Missão é não deixar bloquear nos problemas
do pequeno mundo a que pertencemos.
A Humanidade é maior.

Missão é sempre partir,
mas não devorar quilómetros.
É sobretudo abrir-se aos outros como irmãos,
descobri-los e encontrá-los.
E para os descobrir e amar
é necessário atravessar mares
e voar pelos céus,
então, missão é partir até aos confins do mundo!

D. Hélder Câmara

DOMINGO XXV DO TEMPO COMUM - Ano B

SALMO RESPONSORIAL Salmo 53 (54), 3-4.5.6.8 (R. 6b) 
Refrão: O Senhor sustenta a minha vida.

Senhor, salvai-me pelo vosso nome, 
pelo vosso poder fazei-me justiça. 
Senhor, ouvi a minha oração, 
atendei às palavras da minha boca.

Levantaram-se contra mim 
os arrogantes 
e os violentos atentaram contra a minha vida. 
Não têm a Deus na sua presença.

Deus vem em meu auxílio, 
o Senhor sustenta a minha vida. 
De bom grado oferecerei sacrifícios, 
cantarei a glória do vosso nome, Senhor.

FOLHA DOMINICAL: informações e reflexões importantes para toda a comunidade

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

ORAÇÃO

Senhor Jesus,
desperta em nós um olhar missionário,
ajuda-nos a escutar com o coração do outro.
Queremos ver o Teu rosto nos irmãos,
afastando-nos dos nossos medos e preconceitos.
Queremos, como Tu,
viver a linguagem do amor
e servir mais do que ser servidos.
Só Tu És o Caminho,
dá-nos a coragem de Te seguir
e de Ser Igreja missionária aonde nos levares.
Aqui estamos Senhor,
para Te descobrir no outro
na consciência de que assim nada nos separará de Ti.
Queremos Ser contigo e com o outro,
porque acreditamos que
Ser cristão é Ser Missão! 
Ámen

Papa Francisco

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

ESCUTEIROS: inscrições abertas

Um ponto de partida para uma vida plena de alegria, amizades, aventuras... atreve-te a ser mais... a ser melhor!

ENCONTRO DE CATEQUISTAS, 22 de setembro, 16h00

Todos os catequistas são CONVIDADOS a marcar presença no encontro de abertura do ano para catequistas no próximo sábado, dia 22 de setembro. O programa será o seguinte:

-16h00: acolhimento no Centro Paroquial, com entrega do material de trabalho.
-16h30: reunião geral.
-18h00: lanche partilhado. (Cada catequista deve trazer uma pequena partilha -comida ou bebida -)  
-19h00: missa de ENVIO DE CATEQUISTAS na Capela de S. Martinho.

A presença de cada um é insubstituível. Contamos convosco.

terça-feira, 18 de setembro de 2018

PRIMEIRA PALAVRA

Fazer «da dimensão e da metodologia missionária o grande paradigma de todas as nossas iniciativas, ações e projetos» é a intencionalidade que orientará a missão, na nossa Diocese, como refere o Projeto Pastoral. Um dinamismo que implica não só a missão como, inevitavelmente, a vida do «agente pastoral». Dom Manuel Linda insiste nesta inter-relação quando revela que: «desejaria que este ano fosse marcado pela dinâmica da conversão: conversão do nosso coração e da nossa mentalidade. Só isto nos permitirá criar comunidades missionárias que não passem a vida a repetir indefinidamente o que sempre se fez, mas a “fazer” evangelicamente o que há que fazer neste nosso tempo. E, hoje, temos de ser uma Igreja “fora de portas”».
(...)
Que ao longo do ano, e sempre, o nº 266 da Evangelii Gaudium revele o nosso jeito de SER MISSÃO: «O verdadeiro missionário, que não deixa jamais de ser discípulo, sabe que Jesus caminha com ele, fala com ele, respira com ele, trabalha com ele. Sente Jesus vivo com ele, no meio da tarefa missionária. Se uma pessoa não O descobre presente no coração mesmo da entrega missionária, depressa perde o entusiasmo e deixa de estar segura do que transmite, faltam-lhe força e paixão. E uma pessoa que não está convencida, entusiasmada, segura, enamorada, não convence ninguém».

Que esta seja a nossa ALEGRIA

Revista A Mensagem

CATEQUESE: EM TEMPO DE INICIAR A MISSÃO


Acabaram as férias e é tempo de começar ou recomeçar a catequese.
Com renovado entusiasmo vamos caminhar, viver a alegria do encontro, da partilha e da fraternidade.
É tempo de pensar na missão, fazê-la a sério com a graça de Deus e a força do Espírito no Santo.
Que seja um tempo de esperança e confiança, e com empenho saibamos cativar os catequizandos para Boa Nova de Jesus.  

Bom ano de catequese para todos!

JESUS, O SERVO DE YAHWEH

Apesar das grandes multidões que o seguiram, Jesus nunca foi um populista e nunca usou engano para obter ou manter a aprovação das massas. Ele não escondeu as dificuldades que eles encontrariam em segui-lo. Sim, ele era o Messias, mas não um Messias glorioso, rico e poderoso. Jesus apresentou-se como o Servo de Javé, anunciado por Isaías, que aceitou a rejeição, perseguição e sofrimento por seu povo. Ele é o servo fiel, que tem sua vida fundada no alicerce da Palavra de Deus.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

BOM ANO LECTIVO PARA TODOS

Neste dia em que se iniciou um novo ano lectivo, desejamos que um bom acolhimento seja feito todos os dias nas escolas, e que os professores e educadores sejam capazes de dotar os alunos com as capacidades científicas e técnicas necessárias. Porém é fundamental que sejam também capazes de transmitir valores éticos e humanos para que a sociedade se torne menos egoísta e individualista, para que possa ser muito mais fraterna.

domingo, 16 de setembro de 2018

VATICANO: Pobres distribuíram um presente do Papa na Praça de São Pedro

O Papa Francisco afirmou hoje durante na oração do ângelus que a fé não se “reduz a fórmulas” e ofereceu aos romanos e aos peregrinos presentes na Praça de São Pedro um crucifixo, distribuído pelos pobres da cidade.

“Hoje, dois dias depois da festa da Santa Cruz, pensei em oferecer-vos um crucifixo. O crucifixo é sinal do amor de Deus que em Jesus deu a vida por nós. Convido-vos a acolher esta oferta e a guardá-la na vossa casa, no quarto das crianças, dos idosos, em qualquer parte, mas que se veja!”, disse o Papa.

Francisco alertou os presentes que a cruz “é uma oferta do Papa” e que por isso, não tem de ser paga, e pediu aos pobres e marginalizados da cidade para a distribuírem a todos os presentes.

O Papa sublinhou que o crucifixo “não é um objeto ornamental, mas um sinal para contemplar e rezar”.

O Papa Francisco criticou hoje na Sicília os membros da Mafia que se dizem católicos, apelando à conversão destas pessoas e ao fim do ódio.

Que a palavra ódio seja eliminada da vida cristã! Não se pode acreditar em Deus e explorar o irmão, não se pode acreditar em Deus e ser mafioso. Quem é mafioso não vive como cristão, porque blasfema com a sua vida o nome de Deus-amor”, declarou, na homilia da Missa a que presidiu em Palermo, no 25.º aniversário da morte do padre Pino Puglisi, assassinado pela Mafia.

Perante os aplausos de uma multidão estimada em 80 mil pessoas, Francisco apelou à conversão dos mafiosos.

Deixa de pensar em vós próprios e no vosso dinheiro. A mortalha não tem bolsos, não podem levar nada convosco. Convertei-vos ao verdadeiro Deus de Jesus Cristo, se não fizerdes isto, a vossa própria vida será perdida e será a pior das derrotas”.

O Papa sublinhou que, no pensamento católico, “a vida dá-se aos outros, não se tira”.

“Não se pode acreditar em Deus e odiar o irmão, tirar a vida com ódio”, advertiu.

sábado, 15 de setembro de 2018

TEMPO DE ORAÇÃO PELA CRIAÇÃO

"Os recursos da terra estão a ser depredados também por causa de formas imediatistas de entender a economia e a actividade comercial e produtiva. A perda de florestas e bosques implica simultaneamente a perda de espécies que poderiam constituir, no futuro, recursos extremamente importantes não só para a alimentação mas também para a cura de doenças e vários serviços. As diferentes espécies contêm genes que podem ser recursos-chave para resolver, no futuro, alguma necessidade humana ou regular algum problema ambiental."

Papa Francisco 
CARTA ENCÍCLICA
LAUDATO SI’