domingo, 23 de abril de 2017

SENHOR JESUS

Senhor Jesus,
Há tanta gente que Te procura à pressa e Te quer ver.
Mas quando dizem que Te querem ver,
Não é para Te conhecer.
É o teu rosto, a cor dos teus olhos e cabelos,
A tez da tua pele, a tua forma de vestir que os atrai e contagia.
Querem ver-te como se fosse numa fotografia.

Mas Tu, Senhor Jesus Ressuscitado,
Quando Te dás a conhecer a nós,
Não mostras o rosto,
Uma fotografia,
O cartão de cidadão.
Se fosse assim,
Mal seria que os teus amigos Te não reconhecessem.

E o facto é que,
Quando surges no meio deles,
Não Te reconhecem.
E em vez do rosto,
São, afinal, as mãos e o lado que apresentas.
Entenda-se: é a tua maneira de viver que nos queres fazer ver.
Na verdade, a tua identidade é dar a vida,
É dar a mão e o coração.
É essa a tua lição, a tua paixão, a tua ressurreição.

Senhor, dá-nos sempre desse pão!

D. António Couto
https://mesadepalavras.wordpress.com/2017/04/22/o-percurso-de-tome-chamado-gemeo-3/

CAMINHADA DOS CATEQUISTAS 2017

Ano após ano, repete-se a experiência, sempre nova,
da caminhada dos catequistas. Graças a Deus!
Muitas Graças a Deus! Grande é a Sua Misericórdia!
Pe. Zé Manel
 
 
 

CAMINHADA DOS CATEQUISTAS

As primeiras imagens de Otília Silva, com a
nossa oração de agradecimento a Deus por este dia. 

DOMINGO II DA PÁSCOA - Ano A

É aqui, no Cenáculo, o lugar da Eucaristia, o lugar da reunião da comunidade, que a experiência de fé tem lugar. É no seio da comunidade que os Apóstolos experimentam que o Senhor está vivo. É no seio da comunidade reunida à volta do altar que nós, como os apóstolos, experimentamos que o Senhor está vivo no meio de nós.
(...)
Tomé, tal como nós, não viu o Senhor ressuscitado, não esteve presente, não acredita nas palavras de quem esteve presente, não acredita no testemunho dos outros, mas oito dias depois, isto é, voltamos ao mesmo dia, o dia em que se celebra a Eucaristia, o dia do Senhor, ele está presente. O Senhor está sempre presente. Sempre que celebramos a Eucaristia, Ele está presente. Sempre que nos reunimos em seu nome, Ele está presente. E Tomé acredita. 

FOLHA DOMINICAL - informações e reflexões importantes para toda a comunidade

sábado, 22 de abril de 2017

DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia

SALMO RESPONSORIAL Salmo 117 (118), 2-4.13-15.22-24 (R. 1) 
Refrão: Aclamai o Senhor, porque Ele é bom: 
o seu amor é para sempre. 

Diga a casa de Israel: 
é eterna a sua misericórdia. 
Diga a casa de Aarão: 
é eterna a sua misericórdia.

Digam os que temem o Senhor: 
é eterna a sua misericórdia. 
Empurraram-me para cair, 
mas o Senhor me amparou.

O Senhor é a minha fortaleza e a minha glória, 
foi Ele o meu Salvador. 
Gritos de júbilo e de vitória nas tendas dos justos: 
a mão do Senhor fez prodígios.

A pedra que os construtores rejeitaram 
tornou-se pedra angular. 
Tudo isto veio do Senhor: 
é admirável aos nossos olhos. 
Este é o dia que o Senhor fez: 
exultemos e cantemos de alegria.

DOMINGO DE PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR

Manhã da Páscoa na Capela de S. Caetano,
que estava lindíssima.
 Cruzes enfeitadas e prontas,
para no final da Eucaristia levarem,
de casa em casa, o anúncio da ressurreição.
  Presença na celebração
dos participantes no Compasso.
Festa de cor e alegria,
nesta manhã radiosa da Páscoa!
 Momentos de preparação e oração.
 E logo ali se beijou a cruz!
 O Senhor ressuscitou verdadeiramente. 
Aleluia!
Glória e louvor a Cristo para sempre. Aleluia!

VIGÍLIA PASCAL 2017

Que hoje recordamos com algumas imagens
 
 
 
 
 
 
 
Cristo ressuscitou, Aleluia! 

sexta-feira, 21 de abril de 2017

OS NOSSOS CATEQUISTAS EM CAMINHADA...

HINO DOS PASTORINHOS

Cantemos, alegres, a uma só voz:
Francisco e Jacinta rogai por nós

Salve, salve, Pastorinhos
Nosso encanto e alegria
Salve, salve, pastorinhos
Predilectos de Maria

Vossos olhos inocentes
Contemplaram a Senhora
Dos seus filhos peregrinos
Carinhosa protectora

Sacrifício e oração
Foi a vossa vida inteira
Ao convite maternal
Da Senhora da azinheira

Praticando a caridade
Entregáveis com carinho
A merenda que leváveis
Ao primeiro pobrezinho

Caminhantes neste mundo
Ajudai-nos, cada dia
A viver sempre seguros
Sob o manto de Maria

A Senhora do Rosário
Pela vossa intercessão
Abençoe o Santo Padre
E nos leve à conversão

Contemplando Deus no Céu
Pelos anjos adorado
Alcançai o dom da paz
Para o mundo extraviado

Protegei a nossa Pátria
Para que, à sombra da cruz
Guarde sempre a fé cristã
E a verdade de Jesus

DIOCESE VAI CELEBRAR JUBILEU DOS DIÁCONOS PERMANENTES

A Diocese do Porto vai celebrar a 26 de abril o jubileu dos 25 anos de ordenação dos primeiros diáconos permanentes da região.

Numa carta pastoral enviada à Agência ECCLESIA, os bispos do Porto destacam o diaconado permanente como “uma bênção e um desafio de ministério e de missão para toda a Igreja” e dão “graças a Deus pelo dom da vida” de todos aqueles que, ao logo deste tempo, têm correspondido a este chamamento, no meio das comunidades.

O bispo diocesano, D. António Francisco dos Santos, e os três bispos auxiliares do Porto, D. António Bessa Taipa, D. Pio Alves de Sousa e D. António Augusto Azevedo, recordam de modo particular a “memória” de todos os diáconos permanentes “que já partiram ao encontro de Deus”.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

25 ANOS DE DIÁCONO PERMANENTE

CONVITE à participação de todos!
A 26 de abril de 1992 foram ordenados na Sé do Porto os primeiros 18 diáconos permanentes da diocese, sendo um deles o nosso Diácono Celestino. Em 2017, cumprem-se 25 anos sobre esse momento significativo da vida da Igreja do Porto, e é festa na Paróquia de S. Pedro de Vilar do Paraíso.
Demos graças a Deus!

Nota: quem desejar inscrever-se para o jantar deve contactar o Cartório Paroquial - Telef. 227110132

PASTORINHOS VÃO SER FEITOS SANTOS EM FÁTIMA NO PRÓXIMO DIA 13 DE MAIO

Papa fez o anuncio esta manhã no consistório em Roma
O Papa vai canonizar Francisco e Jacinta Marto no próximo dia 13 de maio em Fátima. O anuncio foi feito esta manhã em Roma no Consistório Ordinário Público para o voto sobre algumas Causas de Canonizações.
Este processo iniciado pelo então bispo de Leiria, D. José Alves Correia da Silva, a 30 de abril de 1952, um ano depois da trasladação dos restos mortais de Jacinta para a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima tem agora o desfecho aguardado, neste momento os sinos repicam no Santuário de Fátima e daqui a pouco o reitor do Santuário rezará uma Avé-Maria e fará uma pequena oração de Ação de Graças na Capelinha das Aparições.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

DAMOS GRAÇAS A DEUS

25 ANOS de Diácono Permanente 
CELESTINO GOMES
COROS-ENSAIO
19 de Abril, 21h30, centro paroquial
Para a celebração festiva na Capela de S. Martinho, 
na quinta-feira, 27 Abril.
CONVITE aos elementos de todos os coros.
CONTAMOS COM A TUA PRESENÇA!

terça-feira, 18 de abril de 2017

VIGÍLIA PASCAL NA NOITE SANTA - 15 de Abril

LITURGIA DA LUZ 
Na noite, em que Jesus Cristo passou da morte à vida, a Igreja convida os seus filhos a reunirem-se em vigília e oração. 
Na verdade, a Vigília pascal foi sempre considerada a mãe de todas a vigílias e o coração do Ano litúrgico. 
Esta é a noite, da qual está escrito: a noite brilha como o dia e a escuridão é clara como a luz». 
A liturgia da luz consiste na bênção do fogo, na preparação do círio e na proclamação do precónio pascal. 
O lume novo e o círio pascal simbolizam a luz da Páscoa, que é Cristo, luz do mundo. O texto do precónio evidencia-o quando afirma que «a luz de Cristo (...) dissipa as trevas de todo o mundo» e convida a «celebrar o esplendor admirável desta luz (...) na noite ditosa, em que o céu se une à terra, em que o homem se encontra com Deus!».
A Vigília na noite santa abre com a liturgia da luz, evocando a ressurreição de Cristo e a peregrinação de Israel guiado pela coluna de fogo. 
A liturgia salienta a potência da luz, como o símbolo de Cristo Ressuscitado, no círio pascal e nas velas que se acendem do mesmo, na iluminação progressiva das luzes da igreja, ao acender das velas do altar e com as velas acesas na mão para a renovação das promessas batismais. 
O símbolo mais iluminador é o círio, que deve ser de cera, novo cada ano e relativamente grande, para poder evocar que Cristo é a luz dos povos. 
Ao acender o círio pascal do lume novo, o sacerdote diz: «A luz de Cristo gloriosamente ressuscitado nos dissipe as trevas do coração e do espírito» e depois apresenta o círio como «lumen Christi - a luz de Cristo». 
Quando alguém nasce, costuma-se dizer que «veio à luz» ou que «a mãe deu à luz». Podemos, por isso dizer que a Igreja veio à luz na Páscoa de Cristo. 
De facto, toda a vida da Igreja encontra a sua fonte no mistério da Páscoa de Cristo.
O simbolismo fundamental da celebração litúrgica da Vigília é o de ser uma “noite clara”, ou melhor «a noite que brilha como o dia e a escuridão é clara como a luz». 
Esta noite inaugura o “Hodie - Hoje” da liturgia, como se tratasse de um único dia de festa sem ocaso (o dia da celebração festiva da Igreja que se prolonga pela oitava pascal e pelos cinquenta dias do Tempo pascal), no qual se diz «eis o dia que fez o Senhor, nele exultemos e nos alegremos» (Sl 118).
Texto: Internet -  D. José Cordeiro