sexta-feira, 24 de março de 2017

III CATEQUESE QUARESMAL

Mais uma profunda reflexão neste tempo de graça que é a Quaresma, tempo em que somos chamados a escutar e a meditar a Palavra de Deus, com mais assiduidade, tal como o Papa Francisco nos exorta na sua mensagem para esta Quaresma.
A parábola do homem rico e do pobre Lázaro é a passagem bíblica escolhida pelo Papa Francisco para a sua mensagem desta Quaresma, intitulada “A Palavra é um dom. O outro é um dom”, que ajuda a prepararmo-nos bem para a Páscoa.
Lázaro ensina-nos que o outro é um dom. O primeiro convite que nos faz esta parábola é o de abrir o nosso coração ao outro, porque cada pessoa é um dom.
Afinal, o pobre, invisível para o rico, embora jazendo à sua porta, era um apelo à conversão e à mudança de vida.
Esta parábola põe em evidência que nada trouxemos ao mundo e nada podemos levar dele. Ambas as personagens morrem e, a partir desse momento, descobre-se que é restabelecida uma certa equidade, em que os males da vida são contrabalançados pelo bem.
A raiz dos males do rico foi não dar ouvidos à Palavra de Deus. Deixando de amar a Deus, consequentemente, desprezou o próximo.
A Palavra de Deus é uma força viva capaz de suscitar a conversão no coração dos homens e orientar de novo a pessoa para Deus. Fechar o coração ao dom de Deus que fala tem como consequência fechar o coração ao dom do irmão.
Nesta terceira e última catequese quaresmal aquela parábola foi refletida e ilustrada com imagens que nos ajudam a perceber, na realidade do tempo de hoje, que é o nosso, a profundidade e atualidade da cena, mas também a reconhecer os vários rostos de Lázaro e tomar a sério o que o Evangelho nos revela a propósito do homem rico.
As três catequeses quaresmais foram um momento privilegiado de escuta e reflexão da Palavra de Deus, que nos permitiu descobrir a sua riqueza e novidade infindáveis. As palavras não mudam, mas há sobre elas sempre um novo olhar. É a mesma Humanidade que caminha e que procura. É o mesmo Deus que se vai sempre revelando, de novo.
Foi manifestada a gratidão ao Sr. Pe. Guedes, da SMBN, por estas catequeses quaresmais. Com humildade reagiu, dizendo nada haver que agradecer, pois foi para isso que foi para padre. Reformulamos aqui a afirmação: Agradecemos a Deus pelo dom da sua inteligência, da clareza e simplicidade de expressão e agradecemos-lhe a disponibilidade de pôr a convite do nosso pároco, esse dom a render em favor da nossa comunidade. Agradecemos e rezamos a Deus por ambos.
22.03.2017
CR

quinta-feira, 23 de março de 2017

PAPA APROVOU HOJE CANONIZAÇÃO DE FRANCISCO E JACINTA MARTO

A canonização dos beatos Francisco e Jacinta Marto, aprovada hoje pelo Papa Francisco, representa o último degrau rumo à santidade das crianças que São João Paulo II apelidou como “duas candeias” oferecidas por Deus à humanidade.

A frase do Papa polaco marcou a cerimónia de beatificação dos dois pastorinhos de Fátima, que teve lugar a 13 de maio de 2000, no Santuário de Fátima.

“A Igreja quer, com este rito, colocar sobre o candelabro estas duas candeias que Deus acendeu para alumiar a humanidade nas suas horas sombrias e inquietas”, afirmava então João Paulo II.

Karol Wojtyla realçava ainda a importância daquele momento para uma “multidão imensa de peregrinos” e fazia votos que os dois pastorinhos se assumissem como “uma luz amiga a iluminar Portugal inteiro”.

LEITURA: "PEREGRINAÇÃO - TESTEMUNHOS QUE NOS UNEM"

«A ideia de peregrinação em si é fascinante. É a demanda, é na literatura a interrogação. Há esse lado de aventura que está na base da literatura. A poesia é a aventurada linguagem, toda a literatura é isso.

No sentido mais concreto, não tenho esse tipo de vivência religiosa. Mas a poesia é de algum modo uma forma de peregrinação. É a pesquisa, é a busca de fazer diferença, é a procura da inovação. Sim, a poesia é peregrinação.»
(...)
«É muito complicado encontrarmo-nos sozinhos através das nossas angústias, das nossas perdas, não ter o que há de repetitivo no dia a dia e pensar sobre nós próprios. Muitas vezes não queremos fazê-lo, não é evidente. A peregrinação, além da crença, tem isso de principal»

quarta-feira, 22 de março de 2017

EUCARISTIA COM A CATEQUESE

No sábado, 18 de Março, celebramos  a Eucaristia com a Catequese, organizada e dinamizada pelo 3º catecismo.
E, em tempo de Quaresma, com o Coro Anima iniciamos cantando: “É preciso renascer, É preciso renascer! Deixai ódios, violências: É preciso renascer!   
"Convertei-vos e acreditai: Eis a nova que venho dar-vos! Amai todos sem distinção, porque todos somos irmãos. Aceitai, aceitai,Aceitai o Reino de Deus!"
 "Tudo quanto vos ensinei / É que ameis os vossos irmãos. Sereis dignos do meu amor / Se fizerdes o que vos mando. Aceitai, aceitai, Aceitai o Reino de Deus!"
Na primeira Leitura (Ex 17, 3-7) escutamos que o povo israelita, atormentado pela sede, se impacientava com Moisés, e até reclamava por ter saído do Egipto... 
"Mas o Evangelho domina toda a celebração deste Domingo; é o Evangelho da Samaritana. A liturgia deste dia abre a parte central da Quaresma no aspecto litúrgico, ligada à preparação para os sacramentos da iniciação cristã na Vigília Pascal e igualmente para a renovação da consciência da vida cristã para os que já são baptizados. Caminhamos para o Rochedo da água viva, que é Cristo, para d’Ele bebermos, como do rochedo batido pela vara de Moisés bebeu o antigo povo na travessia do deserto."
No Ofertório solene, as crianças trouxeram ao altar diversos símbolos, referente aos seu percurso catequético, e que  apresentaram à Assembleia. 
 Vela:
"Apresentamos-Te, Jesus, esta vela como sinal da luz que és e que ilumina o nosso caminho. Simboliza também a nossa fé em Ti.
Catecismo:
"Entregamos-te Jesus o nosso catecismo que nos acompanhou até agora e nos vai continuar a acompanhar até o fim do ano, ajudando-nos a conhecer-te um bocadinho melhor."
 Vaso com trigo:
"Recebe Jesus este vaso com trigo, ainda em crescimento, que simboliza o crescimento da tua palavra nos nossos corações."
  Baú das renúncias:
"Aceita Jesus, este baú, onde nós, o 3º ano, colocamos o sacrifício a fazer durante a Quaresma.
Pão e Vinho:
Jesus, nós te oferecemos este pão e este vinho, que representam o teu corpo e sangue, símbolo da nossa partilha com todos os que mais gostamos, generosidade, sabedoria, alegria e de eterna aliança.
"Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente, é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação dar-Vos graças, sempre e em toda a parte, por Cristo nosso Senhor. Quando Ele pediu à samaritana água para beber, já lhe tinha concedido o dom da fé e da sua fé teve uma sede tão viva que acendeu nela o fogo do amor divino... "
No final da comunhão, o Santíssimo e ficou exposto no altar durante alguns minutos e todos ajoelharam e rezaram: "Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam".
Porque era dia de S. José, e Dia do Pai, em momento de Acção de Graças foi passado um pequeno PowerPoint que pode ser visualizado em: 
https://www.youtube.com/watch?v=KYZfOaxV7pw&ab_channel=LexAleksandre
E terminamos esta bonita celebração cantando: "Manifesta a tua santidade em mim /Toma-me de entre a minha dispersão, /Recolhe-me de onde me perdi / Enche-me de novo o coração. / Tu és a água viva, /Tu és a água pura, / Inunda-me, inunda-me / E tudo se transformará em mim. "

EU QUERIA SER A FONTE


Eu queria ser a fonte cristalina
Pura e transparente
Fonte que desse sem trocas
Água pura a toda a gente 

Quando sedento irei beber
Da fonte do meu Deus que não tem fim
E brotarão fontes de água viva
Sempre a jorrar dentro de mim 

Ao sedento do caminho
Eu queria fazê-lo experimentar 
Esta água dom de Deus
Que o mundo não pode dar 

Eu queria confortar
A quantos a vida não sorriu
Ser oásis no deserto
Que o homem construiu 

Ir. Maria Amélia Costa 

Papa associa-se a celebração do Dia Mundial da Água


O Papa associou-se hoje no Vaticano à celebração do Dia Mundial da Água, apelando ao respeito por um bem que é “de todos”.
(...)
O Papa saudou este encontro de várias instituições para “sensibilizar para a necessidade de tutelar a água como bem de todos”, valorizando os seus significados “culturais e religiosos”.

A 24 de fevereiro, o Papa Francisco alertou no Vaticano para a possibilidade de uma “guerra mundial” por causa dos recursos hídricos e disse que a água é um direito “vital” de cada pessoa.

“Pergunto-me se nesta terceira guerra aos bocados estaremos a caminho da grande guerra mundial pela água”, assinalou, num encontro dedicado ao ‘direito humano à água’, na Academia Pontifícia das Ciências (Santa Sé).

Francisco recordou dados da ONU que não deviam deixar ninguém “indiferente”: “Mil crianças morrem todos os dias - mil, todos os dias - por causa de doenças ligadas à água, milhões de pessoas consomem água contaminada”.

A encíclica ecológica ‘Laudato Si’, de 2015, dedica um ponto específico à “questão da água”, no qual o Papa recorda que “a pobreza da água pública” se verifica especialmente na África, onde “grandes sectores da população não têm acesso a água potável segura”.

“Um problema particularmente sério é o da qualidade da água disponível para os pobres, que diariamente ceifa muitas vidas”, alertava Francisco.

terça-feira, 21 de março de 2017

SACRAMENTO DA RECONCILIAÇÃO - Em Tempo da Quaresma

"Confessar-se com um sacerdote é um modo de pôr a minha vida nas mãos e no coração de outro, que nesse momento atua em nome e por conta de Jesus. É uma maneira de sermos concretos e autênticos; estar frente à realidade olhando para outra pessoa e não para si mesmo refletido num espelho.
É verdade eu posso falar com o Senhor, pedir-Lhe logo perdão a Ele, implorar-lho. E o Senhor perdoa, logo. Mas é importante que vá ao confessionário, que me ponha a mim mesmo frente a um sacerdote que representa Jesus, que me ajoelhe frente à Mãe Igreja chamada a distribuir a misericórdia de Deus. Há uma objetividade neste gesto, em ajoelhar-me frente ao sacerdote, que nesse momento é a via da graça que me chega e me cura."

Papa Francisco

segunda-feira, 20 de março de 2017

O OUTRO COMO DOM

“Dá-Me de beber” – pede Jesus. A Samaritana estranha esta atitude de Jesus. “Mas quem é este que me pede de beber?” – interroga-se. Ela tem uma atitude que é, também, muitas vezes, a nossa. Quando alguém nos interpela, estranhamos. Quando alguém nos pede uma esmola, afastamo-nos. Muitas vezes, repugnados. Olhamos desconfiados, como a Samaritana olhou para Jesus. 
Jesus inverte a matriz nesta parábola. Ele, o Mestre, o doador por excelência, é quem pede esmola. É Ele quem tem sede. É o necessitado. É quem Se humilha. Por isso, Ele é dom. Porque é primícia de todos os que pedem, de todos os necessitados. Aquele que pede é dom para quem dá. O outro é dom, porque se coloca no lugar de Jesus. Aquele que dá coloca-se no lugar da Samaritana e, por isso, é quem serve Jesus. Portanto, quando servimos, aproximamo-nos de Jesus. Quando damos esmola, damo-la, também, a Jesus. E, assim, a esmola é dom.

Oração
Senhor, 
ajuda-me a ser generoso, 
a servir aqueles que mais precisam, 
a aproximar-me de todos os que têm sede. 
Ensina-me
a ter o olhar da samaritana 
e a ver em todos os necessitados, 
o teu rosto.

Proposta
Esta semana vou pagar uma refeição a um mendigo que encontrar na rua.

http://www.apostoladodaoracao.pt/o-outro-como-dom/

FOLHA DOMINICAL - informações e reflexões importantes para toda a comunidade

ULTIMA CATEQUESE QUARESMAL - 20 de março, 21h30 - CONVITE A TODOS

Tempo para recordar a II Catequese Quaresmal
Nesta segunda catequese quaresmal foi dada continuidade à reflexão da Palavra que havia sido iniciada com a leitura do Livro do Génesis, que fala não propriamente do pecado de um homem e de uma mulher, mas da fragilidade e do pecado da Humanidade.
Somos, antes de mais, corpo numa comunhão ou numa ligação umbilical com toda a Criação. Somos tirados da terra, somos pó. Mas temos um lugar privilegiado no coração do Criador. Fomos tocados pelo sopro divino, que nos fez especiais, livres, mas também “aspirantes” à divindade. Está-nos inerente essa vontade de ser como Deus, de nos colocarmos no lugar de Deus, de desconfiarmos da intenção de Deus a nosso respeito. E a tentação aparece muitas vezes camuflada e de forma ardilosa e envolvente.
Segundo o Evangelho de S. Mateus, Jesus passou por essa experiência humana, numa situação de fragilidade, depois de jejuar até ter fome, passando por variadas tentações do bem- estar físico, do poder, do ter, do prestígio. E a atitude de Jesus perante tais tentações foi exatamente oposta á do homem e da mulher no Paraíso. Recusou cair na tentação com a força que lhe vinha da Palavra de Deus, entregando-se à vontade do Pai e sendo fiel à missão e ao projeto que Ele tinha para si.
Na Palavra de Deus devemos buscar a nossa força, pois só Ele tem palavras de vida eterna.
Daí ser tão importante o dom da escuta. Saber escutar e meditar para descobrir, com clareza, qual o projeto de Deus para cada um de nós, não o confundindo com os projetos humanos, que se apresentam em cada esquina do caminho, de forma apelativa e sedutora, que nos envolvem com a aparência da verdade e da felicidade, deixando rastos de dúvida e de desconfiança em relação aos projetos de Deus. Estes apresentam-se, geralmente, de forma mais sóbria e discreta, por caminhos mais estreitos, sem óbvias evidências do destino a que nos levam.  
Precisamos da atitude de escuta de Maria, que tudo guardava no seu coração, e do seu olhar de mãe, atenta às necessidades dos outros, mas sempre confiante na Palavra de Deus e no cumprimento das suas alianças.
 
13.03.2017
CR

domingo, 19 de março de 2017

O MAIS BELO DIÁLOGO DO NOVO TESTAMENTO

Era por volta do meio-dia,
E Jesus sentava-se com tempo à beira do poço de Jacob,
À espera que chegasse a mulher da Samaria.
O meio-dia é a hora da Luz e da Revelação,
Coisa que Nicodemos não sabia,
E a mulher da Samaria vem ao poço buscar água e Luz,
Vem buscar Jesus,
Para beber e para viver.

Jesus, que a esperava, desceu ao nível dela,
Fez-se pedinte, e disse-lhe: «Dá-me de beber!».
Mas o seu intuito era
Transformar em pedinte a mulher,
Que pouco depois pede a Jesus: «Dá-me Tu dessa água viva, Senhor!».

E depois foi chamar os samaritanos,
Que também vieram ver o poço novo aberto em Siquém.
Todos beberam da água viva,
E descobriram-se irmanados na alegria
Daquele meio-dia.

Vem, Senhor Jesus,
Senta-te à nossa beira,
E ensina aos teus irmãos
O segredo
E o enredo
Daquela nova ceifa e sementeira.

D. António Couto

DIA DO PAI |«Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu» | C...


No dia 19 de Março, data em que a Igreja celebra o dia de S. José, pai de Jesus e esposo de Maria, o calendário oferece-nos a possibilidade de celebrar o Dia do Pai. Aproveitando esta data de forte simbolismo, propomos uma catequese intergeracional que possibilite à família uma experiência de fé significativa. Será uma oportunidade para reforçar os laços familiares não só entre pais e filhos, mas também entre os esposos. 

ORAÇÃO A S. JOSÉ, NO «DIA DO PAI»

A vós, São José, 
recorremos na nossa tribulação,
cheios de confiança 
solicitamos a vossa protecção 
no dia de hoje para todos os pais de família.

Vós fostes o pai adoptivo de Jesus, 
soubestes amá-l’O, respeitá-l’O e educá-l’O 
com amor e dedicação, 
como vosso próprio filho. 
Olhai todos os pais do mundo 
e especialmente os da nossa comunidade, 
para que, com amor e dedicação, 
eduquem os seus filhos 
na fé cristã e para a vida.

Protegei todos os pais doentes 
que sofrem por não poderem dar saúde, 
educação e casa decente para seus filhos. 
Protegei todos os pais 
que trabalham arduamente no dia-a-dia 
para não faltar nada aos seus filhos. 
Protegei todos os pais 
que se dedicam de corpo e alma à sua família. 
Iluminai todos os pais 
que não querem assumir sua paternidade. 
Iluminai todos os pais 
que desprezam seus filhos e esposas. 
Enfim, olhai por todos os pais, 
para que assumam 
e vivam com alegria sua vocação paterna.
Ámen.

sábado, 18 de março de 2017

DOMINGO III DA QUARESMA - Ano A

SALMO RESPONSORIAL Salmo 94 (95), 1-2.6-7.8-9 (R. cf. 8) 
Refrão: Hoje se escutardes a voz do Senhor, 
não fecheis os vossos corações.

Vinde, exultemos de alegria no Senhor, 
aclamemos a Deus, nosso salvador. 
Vamos à sua presença e dêmos graças, 
ao som de cânticos aclamemos o Senhor.

Vinde, prostremo-nos em terra, 
adoremos o Senhor que nos criou. 
Pois Ele é o nosso Deus 
e nós o seu povo, as ovelhas do seu rebanho.

Quem dera ouvísseis hoje a sua voz: 
«Não endureçais os vossos corações, 
como em Meriba, como no dia de Massa no deserto, 
onde vossos pais Me tentaram e provocaram, 
apesar de terem visto as minhas obras.

ACAMPAMENTO DOS ESCUTEIROS

Para todo o AGRUPAMENTO de ESCUTEIROS 321, sábado e domingo, dias 18 e 19, na Apúlia. Termina com Missa às 16h00 de domingo na Capela de S. Caetano.

Foto: Olinda Paulo

sexta-feira, 17 de março de 2017

EUCARISTIA COM A CATEQUESE - (do 1º ao 11º anos)

Dia 18, sábado, às 16h00, na Capela de S. Martinho
Organização e dinamização do 3º ano de catequese.

CONVERTER-SE É APRENDER A FAZER O BEM


«No caminho da vida, da vida cristã, aprende-se todos os dias. Deve aprender-se todos os dias a fazer alguma coisa, a ser melhor do que no dia anterior. Aprender. Afastar-se do mal e aprender a fazer o bem: esta é a regra da conversão».
A conversão «não é ir a uma fada que converta com a varinha mágica: não! É um caminho. É um caminho de afastamento e de aprendizagem»
«Procurai a justiça, socorrei o oprimido, fazei justiça ao órfão, defendei a causa da viúva, coisas concretas. Aprende-se a fazer o bem com coisas concretas, não com palavras. Com factos».

Papa Francisco 

quinta-feira, 16 de março de 2017

LECTIO DIVINA - Quinta-feira da Semana II do Tempo da Quaresma

Evangelho:  Lc 16, 19-31
«Filho, lembra-te que recebeste os teus bens em vida e Lázaro apenas os males. Por isso, agora ele encontra-se aqui consolado, enquanto tu és atormentado.»
Rezar a Palavra

Que pobreza, Senhor, se um dia me conhecem como aquele que veste roupas de marca e participa em grandes banquetes. Que pobreza, Senhor, não ter outro nome que o das roupas que visto e dos importantes com quem me banqueteio. De facto é muito pouco ser conhecido pelo que se tem e não pelo que se é. Ensina-me, Senhor a descobrir a essência da vida no coração partido dos irmãos em especial dos que sofrem. Que o meu coração se ajoelhe junto dos mais pequenos para entrar com eles na vida eterna.
http://aliturgia.com/quinta-feira-da-semana-ii-do-tempo-da-quaresma-2/

NESTA QUARESMA FAÇA JEJUM

De palavras negativas (e diga palavras bondosas).
Do descontentamento (e encha o seu coração de gratidão).
Da raiva (e cultive a tolerância e a paciência).
Do pessimismo (encha o coração de esperança e optimismo).
Das preocupações (confie mais em Deus)!
Das queixas (viva as coisas simples da vida).
de tensões (confie no poder da fé e reze).
Da amargura e da tristeza (encha o seu coração de alegria)!
Do egoísmo (alimente em si a compaixão pelos outros).
Da falta de perdão (cultive a reconciliação).
De muitas palavras (dê mais importância ao silêncio e aprenda a ouvir os outros).

LEITURA "DIA A DIA COM FRANCISCO E JACINTA DE FÁTIMA


Até Maria ter dirigido a palavra às crianças que na Cova da Iria «guardavam cordeiros», elas «brincavam». «A partir daí, não quiseram senão o que Deus quer: a salvação de todos, que cada entrega adianta, continuando a de Cristo, como Maria o fez».

«A Páscoa de Cristo é a lei da vida. E tudo há cem anos o recordou em Fátima. Os Pastorinhos aprenderam-no, e assim nos ensinam, hoje como então. Aprendamos, porque o mundo espera», conclui D. Manuel Clemente no prefácio da obra que propõe uma meditação por cada dia do ano.

13 de março - Uma eleição sob o desígnio de Fátima

É no dia 13 de março de 2013 que o cardeal Bergoglio é eleito Papa e toma o nome de Francisco, em honra de Francisco de Assis, o santo dos pobres e da paz. Portanto, um dia 13, em 2013. Simples coincidência?

Existe um outro Francisco, criança pobre e grande amigo da paz, que também toma o seu nome do santo de Assis: o nosso pastorinho. Os seus restos mortais foram solenemente transferidos para a Basílica de Fátima, precisamente num 13 de março (de 1952). Nova coincidência ou desígnio da Providência?

http://snpcultura.org/dia_a_dia_com_francisco_e_jacinta_de_fatima.html

quarta-feira, 15 de março de 2017

LECTIO DIVINA-Quarta-feira da Semana II do Tempo da Quaresma

Evangelho: Mt 20, 17-28
"Será como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida pela redenção dos homens».
Rezar a Palavra
Contigo subo a Jerusalém, Senhor. Este momento de encontro a sós contigo, nesta subida para o alto, faz-me tomar consciência da decisão que implica cada dia na minha vida, como entrega total, de todo o meu ser, para o bem de todos os homens. O teu cálice e o teu batismo desafiam-me a esquecer o que sou e a pensar decididamente no “para quem sou” de modo que tudo tenha sentido e termine em ressurreição. Lava-me de toda a mesquinhez humana, no cálice da tua cruz, Senhor.

http://aliturgia.com/

CONVITE - Na Solenidade da Anunciação do Senhor - Bênção das Mulheres Grávidas