segunda-feira, 18 de novembro de 2019

BIBLIOTECA DOS CATEQUISTAS

Que livros são indispensáveis na biblioteca de um catequista? O P.Rui Alberto, director das Edições Salesianas partilha a lista dos 5 títulos que considera fundamentais.

Como catequista, há livros cuja leitura é essencial e obrigatória. 
Atrevo-me a partilhar contigo a minha lista. Vale o que vale. Pode ser um exercício interessante, fazeres a tua própria lista e debatê-la com outros catequistas

- A Bíblia

- Catecismo da Igreja Católica

- Directório Geral de Catequese

- Para que acreditem e tenham vida

- A alegria do Evangelho

DEDICAÇÃO DAS BASÍLICAS DE S. PEDRO e S. PAULO, Apóstolos

ORAÇÃO COLECTA

Guardai, Senhor, a vossa Igreja
sob a protecção dos apóstolos São Pedro e São Paulo,
de modo que, tendo recebido deles o primeiro anúncio do Evangelho,
receba também, por sua intercessão,
o constante auxílio da graça celeste até ao fim dos tempos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Imagem: Internet

domingo, 17 de novembro de 2019

MENSAGEM DO SANTO PADRE FRANCISCO PARA O III DIA MUNDIAL DOS POBRES

XXXIII DOMINGO DO TEMPO COMUM
(17 DE NOVEMBRO DE 2019)

«A esperança dos pobres jamais se frustrará»


1. «A esperança dos pobres jamais se frustrará» (Sal 9, 19). Estas palavras são de incrível atualidade. Expressam uma verdade profunda, que a fé consegue gravar sobretudo no coração dos mais pobres: a esperança perdida devido às injustiças, aos sofrimentos e à precariedade da vida será restabelecida.
(...)
7. «A opção pelos últimos, por aqueles que a sociedade descarta e lança fora» (ibid., 195), é uma escolha prioritária que os discípulos de Cristo são chamados a abraçar para não trair a credibilidade da Igreja e dar uma esperança concreta a tantos indefesos. É neles que a caridade cristã encontra a sua prova real, porque quem partilha os seus sofrimentos com o amor de Cristo recebe força e dá vigor ao anúncio do Evangelho.
(...)
Aos discípulos do Senhor Jesus, a condição que se lhes impõe para serem evangelizadores coerentes é semear sinais palpáveis de esperança. A todas as comunidades cristãs e a quantos sentem a exigência de levar esperança e conforto aos pobres, peço que se empenhem para que este Dia Mundial possa reforçar em muitos a vontade de colaborar concretamente para que ninguém se sinta privado da proximidade e da solidariedade. Acompanhem-nos as palavras do profeta que anuncia um futuro diferente: «Para vós, que respeitais o meu nome, brilhará o sol de justiça, trazendo a cura nos seus raios» (Ml 3, 20).

XXXIII DOMINGO DO TEMPO COMUM

Estamos a chegar ao final de mais um ano litúrgico. E com a celebração do próximo Domingo, a Solenidade de Cristo Rei do Universo, nós encerraremos o tempo comum e o ano litúrgico C. Daremos início a um novo ano: o ano A da liturgia. 

Como acontece no final de um ano, é tempo de fazer um balanço e traçar as metas futuras, vislumbrar um novo tempo, não repetindo os mesmos erros do passado. Por esta razão, a liturgia deste Domingo traz elementos escatológicos para a nossa reflexão e nos ajuda a preparar este novo ano litúrgico.

Por isso, podemos entender que nos dois últimos domingos do Tempo Comum (e no primeiro Domingo do Advento) as leituras da missa só falam das COISAS FINAIS (escatologia) como lemos na 1ª Leitura e no Evangelho deste Domingo. “Eis que virá o dia, abrasador como uma fornalha, em que todos os soberbos e ímpios serão como a palha; e esse dia vindouro haverá de queimá-los, tal que não lhes deixará raiz nem ramo”, assim lemos na Primeira Leitura. “Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído”, escreveu São Lucas no Evangelho de hoje. 

Ora, com a festa de Cristo Rei e Senhor do Universo (no próximo Domingo) terminamos o ano litúrgico de um ciclo para começar outro ciclo litúrgico, começando com o Primeiro Domingo do Advento. As leituras de hoje falam deste fim. Mas em todo o caso há que recordar que o fim do mundo só ocorre para cada um de nós com a nossa própria morte. O pensamento da possibilidade ou da certeza da nossa morte pode e deve nos ajudar a viver com mais verdade e seriedade. O término de nossa vida é certo, mas o tempo é incerto, isto é, não sabemos quando vai acontecer. 

Santo Agostinho dizia: “Se Deus ocultou essa hora (o fim), é para que sejamos fiéis todos os dias”. Empenhemo-nos para a construção desse tempo novo que se aproxima. E que este novo ano litúrgico renove também o nosso coração e a nossa mentalidade para construirmos juntos uma Igreja renovada, afinada com os valores do Reino, e não uma Igreja de aparências.

Pe. Carlos Correia

FOLHA DOMINICAL: informações e reflexões importantes para toda a comunidade

sábado, 16 de novembro de 2019

SEMANA DE ORAÇÃO PELOS SEMINÁRIOS

Não fiques na praia com o barco amarrado,
e medo do mar.
Tudo aqui é miragem, mas na outra margem
alguém a esperar.

Como onda que morre sozinha na praia,
não fiques brincando…
No mar confiante, ensina o teu canto
de ave voando.

Voa bem mais alto livre sem alforge,
nem prata, nem ouro,
amando este mundo, esta vida que é campo
que esconde o tesouro.

Ninguém te ensinou, mas no fundo tu sentes
asas p’ra voar.
Nem que o céu se tolde e as nuvens impeçam,
tu não vais parar.

Há gente vivendo tranquila e contente
como eu já vivi.
És águia diferente, céu azul cinzento
foi feito p´ra ti.

Irmã Maria Amélia

DOMINGO XXXIII DO TEMPO COMUM - Ano C

SALMO RESPONSORIAL Salmo 97 (98), 5-9 (R. cf. 9)
Refrão: O Senhor virá governar com justiça.
  O Senhor virá. O Senhor virá.

Cantai ao Senhor ao som da cítara,
ao som da cítara e da lira;
ao som da tuba e da trombeta,
aclamai o Senhor, nosso Rei.

Ressoe o mar e tudo o que ele encerra,
a terra inteira e tudo o que nela habita;
aplaudam os rios
e as montanhas exultem de alegria.

Diante do Senhor que vem,
que vem para julgar a terra;
julgará o mundo com justiça
e os povos com equidade.

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

SEMINÁRIO DA BOA NOVA - COLHEITA DE SANGUE

No próximo Domingo, 17 de Novembro, das 9h00 às 13h00, no Seminário da Boa Nova, Valadares.
Passe por lá, e muito obrigada pela sua dádiva!💗 

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

EUCARISTIA COM A CATEQUESE

CONVITE do 9º ano de catequese, 
que organiza e dinamiza esta celebração.

SEMANA DE ORAÇÃO PELOS SEMINÁRIOS

O caminho da obediência pode ser difícil, sobretudo nos momentos em que a lógica de Deus supera a lógica humana ou parece contradizê-la, mas aí se encontra a felicidade do discípulo, quando confia no amor do Senhor e é capaz de lhe corresponder. O Santo Cura d'Ars dizia que “a única felicidade que temos sobre a terra é a de amar a Deus e saber que Ele nos ama.”

Rezemos por todos os seminaristas, consagrados e consagradas que enfrentam situações de prova ou de tentação na sua vida de seguimento radical de Jesus, para que, com a Virgem Maria, encontrem força na oração e na amizade íntima com Ele.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

SEMANA DE ORAÇÃO PELOS SEMINÁRIOS

O Papa Francisco diz a cada jovem na sua última Exortação: “quando o Senhor suscita uma vocação, não pensa apenas no que és, mas em tudo o que poderás, juntamente com Ele e os outros, chegar a ser.” (CV 289) A certeza de que o Senhor capacita os que escolhe para a vocação a que chamou, faz recobrar o ânimo diante dos limites e fragilidades pessoais e ajuda a fortalecer o “Sim” ao percurso feito a dois com o Senhor.

Rezemos por todos os seminaristas e por todos a quem o Senhor escolhe para que sejam anunciadores da Palavra que dá vida, para que não desanimem perante o confronto com a própria pequenez ou fragilidade, mas antes se tornem servos humildes da Palavra e deixem que ela brilhe para todo o povo de Deus através de si.

CADA CASA UMA "IGREJA DOMÉSTICA"

O Papa Francisco incentivou os casais cristãos a seguir o exemplo de Áquila e Priscila e converter suas casas em "igrejas domésticas" a serviço da comunidade e dos mais necessitados.

Em sua catequese, proferida nesta quarta-feira, 13 de novembro, durante a Audiência Geral realizada na Praça de São Pedro, no Vaticano, o Pontífice falou dos discípulos Áquila e Priscila, que receberam São Paulo em Corinto, onde o apóstolo chegou após sua estadia em Atenas. Esses cônjuges "provaram ter um coração cheio da fé de Deus e generoso para com os demais, capaz de abrir espaço para aqueles que experimentam a condição de estrangeiro".

“Essa sensibilidade os leva a descentralizar de si para praticarem a arte cristã da hospitalidade e abrir as portas de sua casa para receber o apóstolo Paulo. Assim, eles não apenas acolhem o evangelizador, mas também o anúncio que ele leva consigo: o Evangelho de Cristo”.

QUARTA-FEIRA DA SEMANA XXXII DO TEMPO COMUM

EVANGELHO: LC 17, 11-19
Naquele tempo, indo Jesus a caminho de Jerusalém, passava entre a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa povoação, vieram ao seu encontro dez leprosos. Conservando-se a distância, disseram em alta voz: «Jesus, Mestre, tem compaixão de nós». Ao vê-los, Jesus disse-lhes: «Ide mostrar-vos aos sacerdotes». E sucedeu que no caminho ficaram limpos da lepra. Um deles, ao ver-se curado, voltou atrás, glorificando a Deus em alta voz, e prostrou-se de rosto por terra aos pés de Jesus para Lhe agradecer. Era um samaritano. Jesus, tomando a palavra, disse: «Não foram dez os que ficaram curados? Onde estão os outros nove? Não se encontrou quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?». E disse ao homem: «Levanta-te e segue o teu caminho; a tua fé te salvou». 
(...)
Rezar a Palavra
Quantas vezes, Senhor, aqueles que parecem estar mais longe de ti me dão verdadeiras lições de fé e confiança. Mergulhado no meu cristianismo de rotina esqueço o mais importante que é o coração agradecido que reconhece o dom de Deus que me é oferecido diariamente. Obrigado, Senhor, por este samaritano que desperta a minha consciência. 

Compromisso
Quero reaprender a capacidade de agradecer de todo o coração a Deus e aos irmãos por todo o bem que recebo.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

TODOS AQUI NASCEMOS. UMA CAMINHADA DIOCESANA PARA NASCER DE NOVO NESTE NATAL

Já se encontra disponível no Site da Diocese do Porto a caminhada de Natal deste ano, para trabalhar na catequese, e viver mais intensamente do Advento à Festa do Batismo do Senhor.

Os catequistas podem descarregar todos os documentos em 

INFÂNCIA MISSIONÁRIA

O Evangelho fala-nos de esperança de que Deus nos ressuscitará para vivermos com Ele. Por isso os nossos pés estão firmes em Jesus porque somos filhos de Deus e filhos da ressurreição. Mas a ressurreição não é uma ideia. É viver a Vida de Amor, uma Vida plena.
Em PDF para imprimir ou visualizar melhor 

SEMANA DE ORAÇÃO PELOS SEMINÁRIOS

O Papa Francisco diz-nos que «O dom da vocação será, sem dúvida, um dom exigente.» (Papa Francisco, Cristo Vive, 289). Com efeito, o dom da vocação não se trata de algo que se recebe e se guarda como troféu numa estante, mas é algo dinâmico que exige uma disposição de conversão e de entrega aos outros ao longo de toda a vida. A vocação é um dom que brota do coração de Deus que procura amigos em quem confiar o seu rebanho.

Com um olhar agradecido, peçamos ao Senhor e à Virgem Maria, nossa mãe, por todos aqueles que deixaram que Deus entrasse nas suas barcas e transformasse as suas vidas, para que sejam firmes na fé, fortes na esperança, generosos no amor e perseverantes na fidelidade de cada dia.

TERÇA-FEIRA DA SEMANA XXXII DO TEMPO COMUM

EVANGELHO: LC 17, 7-10
Naquele tempo, disse o Senhor: «Quem de vós, tendo um servo a lavrar ou a guardar gado, lhe dirá quando ele volta do campo: ‘Vem depressa sentar-te à mesa’? Não lhe dirá antes: ‘Prepara-me o jantar e cinge-te para me servires, até que eu tenha comido e bebido. Depois comerás e beberás tu’. Terá de agradecer ao servo por lhe ter feito o que mandou? Assim também vós, quando tiverdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: ‘Somos inúteis servos: fizemos o que devíamos fazer’». 
(...)
Rezar a Palavra
Concede-me, Senhor, o sentido da igualdade, o reconhecimento da minha condição de servo, a minha inutilidade porque só faço a minha obrigação. Abre os meus olhos para que me veja na minha condição de discípulo que segue os passos do Senhor para o servir com total dedicação. Faz-me compreender a fragilidade dos irmãos para que sejamos todos uma verdadeira comunidade de discípulos que descobrem alegria em servir o seu Senhor.

Compromisso
Quero servir o Senhor com todo o coração e em comunhão com os irmãos. Para isso vou avaliar o modo como realizo os meus compromissos na comunidade cristã, para evitar atitudes de superioridade e de exclusão.

https://aliturgia.com/terca-feira-da-semana-xxxii-do-tempo-comum-4/

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

VIGÍLIA DE ORAÇÃO - CONVITE

Na Semana de Oração pelos Seminários, a Equipa Paroquial das Vocações CONVIDA TODA A COMUNIDADE a participar na Vigília de Oração às 21h30, na Capela de São Caetano. 
HINO
Eu quero ser a luz, eu quero ser o sal
Chamaste-me, Senhor! E eu respondo: “Eis-me aqui”.
Eu quero ser a luz. Eu quero ser o sal
Tu deste-me a vida, e eu me entrego a Ti.

Este mundo anseia pela paz e a verdade
Uma terra que não salga, um coração que não arde
Eu quero ser a luz que as trevas enfrenta
Com a força, a coragem de vencer.

À Tua Palavra lançarei minhas redes
Sei que estás ao meu lado e eu quero arriscar por ti
Faço-me ao largo; só em ti eu confio
E quando me sentir cansado,
é em teu regaço que descansarei.

DIA DE SÃO MARTINHO: Eucaristia às 19h00, Capela de S. Martinho

ORAÇÃO COLECTA

Senhor, que fostes glorificado pela vida e pela morte do bispo São Martinho, renovai em nossos corações as maravilhas da vossa graça, de modo que nem a morte nem a vida nos possam separar do vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

SÃO BARTOLOMEU DOS MÁRTIRES

O Papa assinalou hoje no Vaticano a canonização de frei Bartolomeu dos Mártires, arcebispo português do século XVI, que apresentou como “grande evangelizador e pastor”.

“Hoje, em Braga, Portugal, celebra-se a Missa de ação de graças pela canonização equipolente de São Bartolomeu Fernandes dos Mártires”, disse aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, para a recitação da oração do ângelus.

“O novo santo foi um grande evangelizador e pastor do seu povo”, acrescentou, pedindo uma salva de palmas de todos os presentes.

Francisco recordou também a beatificação, este sábado, da religiosa espanhola Maria Emilia Riquelme y Zayas, fundador das Irmãs Missionárias do Santíssimo Sacramento e de Maria Imaculada, “exemplar no fervor da adoração Eucarística e generosa no serviço aos mais necessitados”.