quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A ÚLTIMA AUDIÊNCIA GERAL DE BENTO XVI

Sinto trazer todos na oração, num presente que é o de Deus, onde recolho cada encontro, cada viagem, cada visita pastoral. Tudo e todos recolho na oração para os confiar ao Senhor: para que tenhamos plena consciência da sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual, e para que nos possamos comportar de maneira digna dEle e do Seu amor, frutificando em toda a boa obra (cf. Colossenses 10,9-10)
Neste momento há em mim uma grande confiança porque sei, sabemos todos, que a Palavra da verdade do Evangelho é a força da Igreja, é a sua vida. O Evangelho purifica e renova, dá fruto onde a comunidade de crentes o escuta e acolhe a graça de Deus na verdade e na caridade. Esta é a minha confiança, esta é a minha alegria.
E oito anos depois posso dizer que o Senhor me guiou, foi-me próximo, pude sentir a sua presença todos os dias. Foi uma parte do caminho da Igreja, que teve momentos de alegria e luz, mas também momentos difíceis; senti-me como São Pedro com os Apóstolos na barca sobre o Mar da Galileia: o Senhor deu-nos muitos dias de sol e brisa leve, dias em que a pesca foi abundante; houve também momentos em que as águas eram agitadas e o vento contrário, como em toda a história da Igreja, e o Senhor parecia dormir. Mas eu sempre soube que o Senhor está naquele barca, e sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas dEle. E o Senhor não a deixa afundar; é Ele que a conduz, certamente através dos homens que escolheu, porque assim o quis. Esta foi e é uma certeza, que nada pode obscurecer. E é por isso que hoje o meu coração está cheio de gratidão a Deus porque nunca fez faltar a toda a Igreja, e também a mim, a sua consolação, a sua luz, o seu amor.
http://www.snpcultura.org/ultima_audiencia_bento_xvi.html


terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

SEMANA DA CÁRITAS


D. Jorge Ortiga, presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social, fala na sua mensagem para esta semana aponta a Semana Cáritas como uma oportunidade “para favorecer uma maior consciencialização sobre o lugar que a caridade deve ocupar nas nossas vidas e reforçar a coragem duma indispensável presença interventiva na sociedade.” “A fé incute-nos o dever de oferecer e propor aos homens e mulheres deste século XXI uma nova gramática do humano, onde a caridade seja estilo coerente e feliz de vida” sublinha D. Jorge Ortiga reforçando a importância da relação “entre as pessoas e o funcionamento das estruturas da sociedade” no sentido de serem “expressões mais consentâneas de um mundo onde vale a pena viver.” 

http://www.caritas.pt/site/nacional/

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

SUBAMOS A MONTANHA


A semana está radiosa, num tempo propício de renovação da natureza e de conversão dos homens, que também renovados se podem transfigurar. 
Um tempo assim, de luz radiante, torna-nos orantes no louvor à bondade e paciência infinita do Criador, sempre com os olhos postos na Luz e o pensamento elevado para o Alto, pois o nosso auxílio vem do Senhor. 

CR

sábado, 23 de fevereiro de 2013

DOMINGO II DA QUARESMA - Ano C


SALMO RESPONSORIAL Salmo 26 (27), 1.7-8.9abc.13-14 (R. 1a)
Refrão: O Senhor é a minha luz
e a minha salvação. 

O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei-de temer?
O Senhor é protector da minha vida:
de quem hei-de ter medo? 

Ouvi, Senhor, a voz da minha súplica,
tende compaixão de mim e atendei-me.
Diz-me o coração: «Procurai a sua face».
A vossa face, Senhor, eu procuro. 

Não escondais de mim o vosso rosto,
nem afasteis com ira o vosso servo.
Não me rejeiteis nem me abandoneis,
meu Deus e meu Salvador. 

Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte.
Tem coragem e confia no Senhor.

EUCARISTIA COM A CATEQUESE


Iniciou-se na quarta-feira de cinzas a quaresma: um tempo de preparação para a Páscoa.  
E, na Eucaristia com catequese do passado sábado, fomos convidados a percorrer este caminho de conversão e de mudança como verdadeiros discípulos de Jesus…
Tal como aconteceu a Jesus, somos tentados a seguir caminhos mais fáceis que se afastam da sua palavra e da sua mensagem de amor… No entanto, para percorrer este caminho renunciaremos:
Ao EGOÍSMO de pensarmos só em nós próprios e nos nossos interesses, no que nos agrada.
À PREGUIÇA de estudar e de ajudar os outros
À VIOLÊNCIA nas palavras e gestos para com colegas, professores e familiares.
À VAIDADE de usar roupas caras ou telemóveis novos.
À GULA e ao consumo exagerado de doces e guloseimas.
AO PRECONCEITO no olhar e no comportamento que temos para com os que são diferentes de nós.
E à MENTIRA que usamos, por palavras ou gestos, para desculpar atitudes.

Durante este tempo quaresmal somos convidados a seguir a sua Palavra e a anunciá-Lo mesmo perante as dificuldades e as tentações do dia-a-dia…
 
E assim nos comprometemos a percorrer este caminho com amor e oração.
 
No final da Eucaristia e tal como tinha sido prometido, foram anunciados os vencedores do Concurso de Presépios.
O segundo lugar coube a um Presépio feito dentro de uma cabaça, mas por não estar identificado não foi possível saber a quem pertencia. Ficará na posse do Rev. Padre Zé Manel, até que o dono se revele.
 O 7º ano da Ilha, com a catequista Esmeraldinha, foi o grande vencedor. Parabéns!


QUARESMA: Tempo para Aprender a Orar


Viver a vida unidos a Jesus converte a nossa vida num presente para os outros:
"O fruto do silêncio é a oração,
o fruto da oração é a fé,
o fruto da fé é o amor,
o fruto do amor é o serviço,
o fruto do serviço é a paz."

Madre Teresa de Calcutá
(In Quaresma Tempo de Oração - Rosário Gil /Pedro Tomás Navajas - Edições Salesianas)

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

QUARESMA - Quinta-feira da semana I


Há cada vez mais pessoas que não estão satisfeitas com o mundo em que vivemos. Raras são, porém, aquelas que fazem alguma coisa para o transformar. Destas, umas procuram torná-lo melhor por meio do seu esforço, individual ou coletivo; outras acham que os defeitos do mundo não estão no próprio mundo, mas no olhar de quem nele vive; por isso procuram transformar-se a si próprias e mudar o olhar com que o veem. As primeiras são partidárias da ação; as segundas confiam nos efeitos da contemplação. A minha tese, se assim lhe posso chamar, é que não basta a ação; é preciso também a contemplação. Talvez mais ainda: sem ela de nada vale a ação. Creio que a História da Humanidade mostra isso mesmo. Não a História factológica, superficial, externa, mas a História da realização das potencialidades do género humano. Ou a História da Humanidade em busca da sua plenitude.

http://www.snpcultura.org/quaresma_2013.html

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

QUARESMA


Do sermão 206 de Santo Agostinho:
«Voltou o tempo aniversário da Quaresma, no qual tenho a obrigação de vos dirigir uma exortação, porque tendes o dever de oferecer a Deus obras que estejam de acordo com estes dias do calendário. Tais obras, porém, não são úteis para o Senhor, mas para vós. Também nas outras épocas do ano o cristão se deve entregar com ardor à oração, ao jejum e à esmola; mas esta solenidade deve estimular inclusive aqueles que habitualmente são preguiçosos; e aqueles que já se entregam com esmero a tais ocupações devem realizá-las ainda com maior intensidade... A repetição anual da solenidade equivale a uma repetição do que Cristo Senhor sofreu por nós na sua única morte. O que teve lugar uma só vez na história para a renovação da nossa vida, celebra-se todos os anos para perpetuar a sua memória... Depois dos dias do nosso abatimento, chegará o tempo da nossa exaltação, não ainda no repouso da visão, mas na satisfação de o contemplar nas celebrações que o simbolizam...» (Antologia Litúrgica, 3774)

Secretariado Nacional da Liturgia

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

À PROCURA DA PALAVRA

DOMINGO I DA QUARESMA Ano C
“Tendo terminado toda a espécie de tentação, retirou-se da presença de Jesus, até certo tempo.” Lc 4, 13

A verdade do “não”

O Papa trocou-me as voltas. Estava eu, de armas e bagagens, dedos sobre o teclado, à porta do deserto para reflectir convosco o episódio das tentações de Jesus, quando a notícia correu como fogo em seara seca: “O Papa vai abandonar a liderança da igreja dia 28”! E todas as boas intenções de reflexão passaram para segundo plano perante o espanto de tal notícia. Chovem e vão continuar a chover inúmeros comentários, a propósito e a despropósito, e tinha prometido a mim mesmo não engrossar tal enxurrada mas não resisti à tentação.

Primeiro alegrou-me a capacidade de Bento XVI nos surpreender (e surpreender o mundo) ao mostrar que a Igreja é mais do que ele, e que Deus nos confia missões mas ninguém O substitui. A inteligência e liberdade desta decisão são um verdadeiro sopro de vitalidade para um serviço que não pode viver acorrentado a nenhum poder despótico, e ajude a reflectir corajosamente a autoridade e a corresponsabilidade na vida eclesial. É preciso evitar cair na tentação de entrar em comparações com a vida de João Paulo II. Quando o amor à verdade e a consciência de limites pessoais se exprimem numa real fragilidade, não tocamos também aí a grandeza do amor de Deus?   


http://www.ecclesia.pt/cgi-bin/comentario.pl?id=659

domingo, 17 de fevereiro de 2013

sábado, 16 de fevereiro de 2013

DIA DO DOENTE

A 11 de Fevereiro celebra-se o dia do mundial do doente. Num ciclo de três anos, Bento XVI colocou-nos perante a figura do Bom Samaritano que soube cuidar do judeu assaltado na estrada de Jerusalém para Jericó. Neste terceiro ano, o Papa desafia-nos, a olhar para o homem caído na estrada e a cuidar dele, até às últimas consequências. Por isso nos diz: Vai e faz tu o mesmo. 
Na nossa paróquia o dia do doente será celebrado amanhã, 17 de Fevereiro, na Eucaristia das 11h00.
ORAÇÃO

Fazer-se Próximo 

Ó Senhor 
aumenta em nós a fé, 
a única raiz 
do verdadeiro amor pelo homem. 
Como poderemos nós 
testemunhar o teu amor? 
Tu um dia 
contaste-nos a história 
de um homem que descia 
de Jerusalém para Jericó 
e que foi assaltado pelos ladrões. 

Senhor, 
esse homem chama-nos. 
Ajuda-nos a não ficarmos 
atrás dos muros do Cenáculo. 
Jerusalém é a cidade 
da Ceia da Páscoa, do Pentecostes. 
Por isso, atira-nos para fora 
para nos tornarmos 
o próximo de todo o homem 
caído na estrada de Jericó. 

Carlo Maria Martini

FOLHA DOMINICAL - Informações e Reflexões muito importantes para toda a Comunidade



DOMINGO I DA QUARESMA - Ano C


SALMO RESPONSORIAL Salmo 90 (91), 1-2.10-15 (R. cf. 15b)
Refrão: Estai comigo, Senhor, no meio da adversidade. 

Tu que habitas sob a protecção do Altíssimo
e moras à sombra do Omnipotente,
diz ao Senhor:
«Sois o meu refúgio e a minha cidadela:
meu Deus, em Vós confio». 

Nenhum mal te acontecerá,
nem a desgraça se aproximará da tua tenda,
porque Ele mandará aos seus Anjos
que te guardem em todos os teus caminhos. 

Na palma das mãos te levarão,
para que não tropeces em alguma pedra.
Poderás andar sobre víboras e serpentes,
calcar aos pés o leão e o dragão. 

Porque em Mim confiou, hei-de salvá-lo;
hei-de protegê-lo, pois conheceu o meu nome.
Quando Me invocar, hei-de atendê-lo,
estarei com ele na tribulação,
hei-de libertá-lo e dar-lhe glória. 

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

REFLEXÃO


De quarta-feira de cinzas a domingo de Páscoa -O Tempo Favorável
Este é o tempo! O tempo do silêncio...o tempo da reflexão...o tempo de interiorizar...O Tempo da Conversão. Converter cada dia a atitude! Aqui começará a nossa eternidade...

CR

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

CONVITE PARA TODA A CATEQUESE


QUARTA-FEIRA DE CINZAS: chamados à CONVERSÃO

Assim iniciamos a Quaresma do Ano da Fé: na simbologia das cinzas, que nos lembra a fragilidade da nossa vida, que será, um dia, apenas pó... Na escuta da Palavra que exorta ao arrependimento, ao perdão, à oração, à partilha e ao jejum...

«Convertei-vos a Mim de todo o coração, com jejuns, lágrimas e lamentações. Rasgai o vosso coração e não os vossos vestidos.  I Joel 2, 12-18

Na Comunhão do Corpo de Jesus Cristo, feito Pão que alimenta e fortalece a nossa Fé...

«Reconciliai-vos com Deus. Este é o tempo favorável»-  II 2 Cor 5, 20 — 6, 2

Na bênção que trazemos como preciosa relíquia, e nos ajudará em mais esta caminhada Quaresmal a libertar-nos de tudo o que nos oprime e escraviza.
Que a nossa caminhada tenha sentido, na adoração e contemplação do caminho da cruz, fonte de redenção e da vida eterna.

«Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, para que os homens não percebam que jejuas, mas apenas o teu Pai, que está presente em segredo; e teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa».  Mt 6, 1-6.16-18

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

REFLEXÃO

Depois da Terça- Feira de Carnaval é o tempo da alegria interior. A alegria fecunda da esperança. A alegria que atinge a sua plenitude na Páscoa. Há que "varrer" o coração de tudo o que não deixa nele entrar essa esperança, essa alegria! há que pô-lo de "quarentena".
É por isso que depois da Terça-Feira de Carnaval temos a Quarta-Feira de Cinzas. Para fazer silêncio no coração de forma a podermos fazer "delete" nas mensagens que nada interessam e nas informações estéreis, para que a "caixa" fique com espaço para acolher o que é verdadeiramente importante.
E o que é verdadeiramente importante, cada um de nós sabe... mesmo quando às vezes finge não saber!

CR

DINÂMICAS PARA: A caminhada e vivência da Quaresma e do Tempo Pascal 2013


Como é habitual, este tempo sugere-nos a apresentação e realização de dinâmicas na catequese e na Eucaristia, com o propósito de melhor viver a caminhada quaresmal, levar a bom porto a barca da vida, solidificar o tesouro da fé, e realizar obras que sejam agradáveis a Deus. 
Com o propósito de ajudar os catequistas a escolher a dinâmica que melhor se adapte à realidade de cada um, agrupamos algumas que nos foram chegando e que certamente  levarão a viver com mais intensidade esta Quaresma no Ano da Fé.


Dinâmicas e Mensagem de Bento XVI em:
https://www.box.com/s/pv2n1hdasgufxukrc0ni

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

QUARTA-FEIRA DE CINZAS

SALMO RESPONSORIAL Salmo 50 (51), 3-4.5-6a.12-13.14.17 (R. cf. 3a)
Refrão: Pecámos, Senhor: tende compaixão de nós

Compadecei-Vos de mim, ó Deus, pela vossa bondade,
pela vossa grande misericórdia, apagai os meus pecados.
Lavai-me de toda a iniquidade
e purificai-me de todas as faltas. 

Porque eu reconheço os meus pecados
e tenho sempre diante de mim as minhas culpas.
Pequei contra Vós, só contra Vós,
e fiz o mal diante dos vossos olhos. 

Criai em mim, ó Deus, um coração puro
e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença
e não retireis de mim o vosso espírito de santidade. 

Dai-me de novo a alegria da vossa salvação
e sustentai-me com espírito generoso.
Abri, Senhor, os meus lábios
e a minha boca cantará o vosso louvor. 

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

QUARTA-FEIRA DE CINZAS: início da Quaresma, tempo de oração, penitencia e jejum. Quarenta dias que a Igreja marca para conversão do coração

CELEBRAÇÃO DAS CINZAS
Quarta-feira, 13 de fevereiro, Capela de S. Martinho
16h00 e 21h30
O sacerdote asperge as cinzas com água benta, sem dizer nada.
Imposição das cinzas
Em seguida, o sacerdote impõe as cinzas a todos os presentes que se aproximam dele, dizendo a cada um:
Arrependei-vos e acreditai no Evangelho. Mc 1, 15

Ou cf. Gen 3, 19
Lembra-te, homem, que és pó da terra e à terra hás-de voltar.