quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

INFÂNCIA MISSIONÁRIA UMA MISSÃO POSSÍVEL

VAI COMEÇAR
Domingo, 3 de Fevereiro, 10h30, 
Capela de S. Caetano

Deus quer que todos participemos na missão de evangelizar e ninguém fique de fora. Por isso vamos sensibilizar as nossas crianças mais pequenas – entre os 4 e os 12 anos - para que se inteirem desta missão que é evangelizar, e de como e las próprias, mesmo pequeninas, o podem fazer com outras crianças.  

Mais uma vez deixamos o CONVITE aos pais, avós, tios e outras pessoas que tenhas crianças a seu cargo, para estarem connosco no próximo domingo, começando com a Eucaristia às 9h30, na Capela de S. Caetano.
Para quem não puder estar a essa hora, o início do encontro será às 10h30.

Os responsáveis do Grupo da Infância Missionária estarão à vossa espera para a todos acolher, e com o auxílio de Jesus Cristo e de Nossa Senhora, darem o primeiro passo desta nova MISSÃO!

Não é preciso nenhuma inscrição!

DIA MUNDIAL DO DOENTE - 11 de Fevereiro

Na nossa paróquia será celebrado 
a 17 de Fevereiro 
MENSAGEM DE SUA SANTIDADE FRANCISCO
PARA O XXVII DIA MUNDIAL DO DOENTE

«Recebestes de graça, dai de graça» (Mt 10, 8): estas são palavras pronunciadas por Jesus, quando enviou os apóstolos a espalhar o Evangelho, para que, através de gestos de amor gratuito, se propagasse o seu Reino.

Por ocasião do XXVII Dia Mundial do Doente, que será celebrado de modo solene em Calcutá, na Índia, a 11 de fevereiro de 2019, a Igreja – Mãe de todos os seus filhos, mas com uma solicitude especial pelos doentes – lembra que o caminho mais credível de evangelização são gestos de dom gratuito como os do Bom Samaritano. O cuidado dos doentes precisa de profissionalismo e ternura, de gestos gratuitos, imediatos e simples, como uma carícia, pelos quais fazemos sentir ao outro que nos é «querido».

A vida é dom de Deus, pois – como adverte São Paulo – «que tens tu que não tenhas recebido?» (1 Cor 4, 7). E, precisamente porque é dom, a existência não pode ser considerada como mera possessão ou propriedade privada, sobretudo à vista das conquistas da medicina e da biotecnologia, que poderiam induzir o homem a ceder à tentação de manipular a «árvore da vida» (cf. Gn 3, 24).
(...)
Exorto-vos a todos, nos vários níveis, a promover a cultura da gratuidade e do dom, indispensável para superar a cultura do lucro e do descarte. As instituições sanitárias católicas não deveriam cair no estilo empresarial, mas salvaguardar mais o cuidado da pessoa que o lucro. Sabemos que a saúde é relacional, depende da interação com os outros e precisa de confiança, amizade e solidariedade; é um bem que só se pode gozar «plenamente», se for partilhado. A alegria do dom gratuito é o indicador de saúde do cristão.

A todos vos confio a Maria, Salus infirmorum. Que Ela nos ajude a partilhar os dons recebidos com o espírito do diálogo e mútuo acolhimento, a viver como irmãos e irmãs cada um atento às necessidades dos outros, a saber dar com coração generoso, a aprender a alegria do serviço desinteressado. Com afeto, asseguro a todos a minha proximidade na oração e envio-vos de coração a Bênção Apostólica.

SEMANA DO CONSAGRADO

DIA DO CONSAGRADO 
2 de Fevereiro 

"Na Semana do Consagrado de 2019 ecoa uma palavra do recente Sínodo dos Bispos sobre Os jovens, a fé e o discernimento vocacional: «O dom da vida consagrada, na sua forma, quer contemplativa quer ativa, que o Espírito Santo suscita na Igreja, tem um particular valor profético porquanto é testemunho alegre da gratuidade do amor. Quando as comunidades e as novas fundações vivem autenticamente a fraternidade, elas tornam-se escolas de comunhão, centros de oração e contemplação, lugares de testemunho, de diálogo intercultural e intergeracional e espaços para a evangelização e a caridade». Este n.º 88 do Documento Final do Sínodo conclui reconhecendo que «a Igreja e o mundo não podem passar sem este dom vocacional, que constitui um grande recurso para o nosso tempo». A vida consagrada é um recurso valioso, um tesouro, que urge redescobrir, revalorizar e renovar. Uma das suas facetas mais belas e significativas é a sua expressão comunitária."

Vigília de Oração – 01 de Fevereiro

Zona Norte – 21h00 – Mosteiro de Bande, Paços de Ferreira

Zona Porto – 21h00 – Igreja de Nossa Senhora de Fátima, Jesuítas (seguida de convívio)

Zona Nascente – 21h00 – Colégio de Bairros, Lousada (seguida de convívio)

Zona Sul – 21h30 - Igreja dos Passionistas, Santa Maria da Feira (seguida de convívio)

Celebração do dia do Consagrado – 02 de Fevereiro

Catedral do Porto – 19h00 – Presidida por D. Manuel Linda

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

8º CICLO DE CONVERSAS AMPLAS

Hoje recordamos a 4ª CONVERSA

Com D. António Augusto de Azevedo, que com alegria revemos neste lugar que foi também o seu durante 10 anos. Aliás, nessa noite tivemos alegria redobrada, pois contamos ainda com a amável visita do Sr. Padre Zé Manel. 
Foi, efetivamente, um lugar e um momento de encontro. Sentimo-nos sempre agraciados com a presença dos nossos pastores - os atuais e os de outrora.
Segui-se um pequeno momento de música, sendo a apresentação do ilustre orador feita por um casal da Pastoral da Família.
Depois de vermos uns pequenos vídeos com momentos das Jornadas da Juventude, D. António falou-nos do tema da Juventude e do futuro da Igreja, começando por dizer que não é possível falar do futuro, pois não se é adivinho, mas uma coisa temos por certo é que ele depende de muitas coisas e essencialmente das opções que fizermos no presente, dos rumos que seguirmos agora.
Falou-nos essencialmente sobre as ideias resultantes do Sínodo dos Jovens. Explicou-nos que o Sínodo é a assembleia dos bispos, mas existe um espaço para auscultar. Durante cerca de um ano a Igreja escutou os jovens de todo o mundo e durante cerca de um mês o Papa Francisco escutou os bispos e tirou apontamentos, quer dizer que ficou a saber o que se passa em todo o mundo.
Por exemplo em Portugal a auscultação deu lugar a um documento.
No final do Sínodo, normalmente é produzido um documento síntese, após o que se passará à sua aplicação. É a fase em que nos encontramos. Das conclusões do sínodo não saem regras a aplicar, mas da reflexão dos problemas saem ideias para criativa e adequadamente cada país ou comunidade pôr em prática.

O Papa enunciou o tema - Os jovens, a fé e o discernimento vocacional – em que o Sínodo se centrou. 
Surgiram deste Sínodo várias ideias.
Afirmarmos que os jovens são o futuro é arriscado porque pode dar a ideia que não há lugar para eles agora, que terão que esperar pela sua vez. Mais que futuro os jovens são presente. Eles são já uma presença e como tal devem ser escutados e ser protagonistas.
Hoje, no Ocidente, todos querem ser jovens, isto é uma coisa nova. A visão da Igreja é que a juventude, como a infância, é uma etapa e, como tal, é transitória, passageira.
Caminhar com jovens não significa fazer coisas para eles, mas fazer coisas com eles. Os jovens são um elemento indispensável para a Igreja. É necessário dar mais espaço aos mais jovens. É comum a queixa de que não há jovens nos grupos. Mas, por vezes, acontece porque os mais velhos não “deixam”.
É decisivo que a Igreja seja um espaço para todos, porque todos estão no coração de Deus. Todos são convocados.
Ocupar-se dos jovens é uma questão muito importante. E toda a gente deve dedicar tempo e recursos para que esta questão seja central.
É necessária a escuta.
A lógica da migração é para ficar. Não é passageira. É uma realidade duradoura.
É uma geração dos nativos digitais.
A atitude é caminhar com, ao lado de. É a passagem bíblica dos dois discípulos de Emaús. Puseram-se a caminho, reconheceram Jesus e voltaram para Jerusalém. Quando nos pomos a caminho temos um rumo, mas o caminho não está determinado, é descoberta e aventura, logo não sabemos o que será a sociedade do futuro.
O fator de incerteza e de indecisão é grande. Ajudar a fazer escolhas é difícil, mas é decisivo.
É imperiosa uma escuta, com vista ao diálogo intergeracional.
Há desafios novos como a migração e a missão. O jovem deve perceber que o caminho é feito de decisões e implica haver erros, mas não deve ter medo de errar.
 
A Igreja deve ajudar os jovens ao discernimento vocacional, considerada a vocação na sua dimensão ampla e não apenas no conceito tradicionalista. Saber quais as causas que os interessa.
E assim se concretizou mais uma conversa ampla que nos formou e informou.
Agradecimentos 
Pastoral da Família
Otília Florista
Foto Martinho
C. R.

8º CICLO DE CONVERSAS AMPLAS - 5ª Conversa

Hoje, às 21h30, na Academia de Música de Vilar do Paraíso.

Porque vai valer a pena, não falte!

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

TERÇA-FEIRA DA SEMANA III DO TEMPO COMUM

1ª Leitura: Hebr 10, 1-10
Rezar a Palavra

“Eis-Me aqui: Eu venho para fazer a tua vontade”. Esta palavra de Jesus, são difíceis de encarnar em nós, Senhor. A total disponibilidade à tua vontade Senhor, coloca-me perante o limite entre a vida e a morte. Naquele limite que o próprio Jesus nos anunciou “Quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por minha causa e pelo Evangelho salva-la-á”. Este limite exige de mim a escolha entre esta vida e a vida verdadeira que brota do coração rasgado de Cristo e é vida eterna. Abre os nossos corações para colhermos em nós esta vida nova do sacrifício de Cristo.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

NOTÍCIA TRISTE


Informamos que faleceu a D. Maria Margarida de Oliveira Castro, mãe do nosso amigo Diácono Celestino Gomes.
O funeral realiza-se amanhã, às 16h00, na Capela de São Caetano.
Nesta hora de luto, dor e tristeza a nossa oração e sentidas condolências ao Diácono Celestino Gomes e a toda a família.

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

"Começa hoje a contagem decrescente para a realização em Portugal do maior evento juvenil da Igreja Católica, a Jornada Mundial da Juventude. O anúncio era esperado, a notícia corria por vários corredores, mas a certeza e sobretudo a responsabilidade de preparar o acolhimento a milhares (milhões) de jovens foi comunicada este domingo: é em Lisboa. E aconteceu com as expectativas de igual forma em alta, bem expressas nos rostos dos portugueses que participam ou ajudam a organizar uma JMJ.
Foi um privilégio estar no Panamá não apenas neste momento da JMJ, mas em toda a semana, bem preenchida por diferentes atividades para os jovens de todo o mundo. A sensação de estar em órbitra ainda permanece, ao redor de um programa muito intenso, vivido por milhares de participantes. Interessa, agora, rever o que aconteceu, ver as imagens, recordar as mensagens marcantes dos encontros com o Papa Francisco. Fica o convite para o fazer passando pelo portal da http://www.agencia.ecclesia.pt/portal/igreja-portugal-lisboa-vai-acolher-jornada-mundial-da-juventude-em-2022/?fbclid=IwAR1FUOxMwxtsN7s0l2VuoFzCc5grAaLdjYih5KhwCMAzmFsea66-h7opohc
Regressado a terra, pode considerar-se a relevância da escolha do lugar, tanto da JMJ de 2019 como da de 2022, os gritos dos pobres que também aconteceram nestas jornadas e a comunicação da Igreja com os jovens, nomeadamente no ambiente litúrgico, com sinais contraditórios, nestes dias. Um exercício a concretizar por diferentes vozes, sobretudo a daqueles que passam por essa experiência, numa real peregrinação, ao longo de uma semana.

E essa é a proposta para os próximos dias, tanto pelas notícias que publicaremos, como pelas vozes que passam pelos programas Ecclesia de televisão, na RTP2, como de rádio, na Antena 1.

De resto, votos de boa viagem de regresso a todos os jovens que deixam o Panamá rumo às suas terras!

Votos de uma ótima semana!"

Paulo Rocha
Jornalista da Agência Ecclesia 

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE - LISBOA EM 2022


Concretizou-se o anúncio esperado e a próxima Jornada Mundial da Juventude será em Portugal, mais concretamente em Lisboa.
É, de facto, um momento importante para a Igreja portuguesa, para os jovens e também paras católicos de todas as idades, pois todos vão ser chamados a contribuir para a organização e realização deste evento.
Que comece o trabalho e dele possam nascer frutos em abundância 

sábado, 26 de janeiro de 2019

PANAMÁ IN DOURO a DECORRER

Os jovens que participam no PANAMÁ IN DOURO, encontram -se agora espalhados por vários pontos da Vigararia de Gondomar em Catequese com os Srs Bispos, do Porto.

8º CICLO DE CONVERSAS AMPLAS

3.ª Conversa Ampla, com Adelino Cunha, nas instalações da ACRAV, a 21 de janeiro de 2019.
Mais uma noite de casa cheia, que teve início com uma oração e os agradecimentos feitos pelo Rev. Padre Jerónimo, a todos e de forma especial à ACRAV, com os parabéns pela passagem dos seus vinte e dois anos de Associação.
Seguiu-se um momento lúdico com a leitura de um texto, acompanhado em flauta transversal pela jovem Raquel, aluna da Academia de Música de Vilar do Paraíso, e que deliciou o público presente.
Terminada a atuação, a jovem flautista foi presenteada com um ramo de flores e uma lembrança, tendo-se despedido do público porque as aulas começavam cedo e também iria ter um teste. 
 
A apresentação do orador, de seu nome completo Manuel Adelino Moreira da Cunha, com um extenso e impressionante curriculum, como é habitual foi feita por um casal da Pastoral da Família VP.
 
Seguiu-se então mais uma Conversa Ampla neste 8.º Ciclo, com Adelino Cunha, que nos veio falar de quão importante é ter um sonho e estar seguro de que, verdadeiramente, se trata de um sonho. E que, feita essa descoberta, está dado o primeiro passo para o êxito. E também que todos, independentemente da idade, temos dentro de nós sonhos.
Foi um privilégio poder usufruir da partilha de conhecimento de tão prestigiado orador.
Gaiense de origem, mais concretamente da Afurada (de Cima), contou-nos que ele mesmo é prova viva de como é possível ir “do banho na bacia de plástico” ao currículo que possui atualmente. 
E tal foi possível porque teve pais que acreditaram nele e o responsabilizaram pelas suas escolhas. 
Disse-nos que os pais não devem desejar para os filhos exatamente o que tiveram, mas muito mais. Para tal é necessário esforço e usar a lei do “Km extra”, isto é, devemos fazer muito mais do que é esperado de nós.
 
Nunca devemos fazer desmoronar os sonhos dos filhos. Devemos acreditar neles, pois em todas as áreas há lugar para os que fazem muito bem e só faz muito bem quem gosta, com paixão, do que faz. Ter um sonho e ser motivado leva muito longe. Para estar seguro de que é um sonho, de verdade, há duas dimensões que têm que estar presentes: a temporal e a espacial. Isto é, a paixão pelo que queremos ou fazemos leva-nos a não dar conta do tempo passar nem do lugar onde tenhamos que estar.
 
Para os crentes a melhor motivação é o Mestre, o líder que formou uma equipa de 12 e arrastou ou motivou milhões.
E assim, saímos mais motivados a descobrir sonho(s) e a realizar sonho(s). 
Agradecimentos:
ACRAV
Pastoral da Família VP
Otília Florista
Foto Martinho