segunda-feira, 30 de setembro de 2019

SEGUNDA-FEIRA DA SEMANA XXVI DO TEMPO COMUM - Lectio Divina fundamental na CATEQUESE

EVANGELHO: LC 9, 46-50
«Quem acolher em meu nome uma criança como esta acolhe-Me a Mim; e quem Me acolher acolhe Aquele que Me enviou.

 Rezar a Palavra
É difícil ser o último numa sociedade que nos convida a ocupar o primeiro lugar, passando à frente de todos e usando todas as armas que estiverem ao nosso alcance, sem pensar em ninguém. Pedes que me esqueça de mim e pense nos outros, que tenha os outros como mais importantes. Bem sei, Senhor, que és um modelo de entrega e desprendimento, mas não é fácil ver como se aproveitam de mim para alcançar interesses pessoais e atingir uma posição que podia ser eu a atingir. Traduzir em mim os teus critérios de acção, os teus sentimentos, não é fácil. Mostra-me, Senhor, a alegria de viver na dedicação total aos outros, para que me deixe educar por ti nos critérios do teu reino e não sinta o desejo do primeiro lugar.

Compromisso 
Vou estar atento aos meus irmãos mais humildes para que se sintam valorizados na minha presença.

CUIDAR DA "NOSSA CASA COMUM"

Poluição, resíduos e cultura do descarte

20. Existem formas de poluição que afectam diariamente as pessoas. A exposição aos poluentes atmosféricos produz uma vasta gama de efeitos sobre a saúde, particularmente dos mais pobres, e provocam milhões de mortes prematuras. Adoecem, por exemplo, por causa da inalação de elevadas quantidades de fumo produzido pelos combustíveis utilizados para cozinhar ou aquecer-se. A isto vem juntar-se a poluição que afecta a todos, causada pelo transporte, pelos fumos da indústria, pelas descargas de substâncias que contribuem para a acidificação do solo e da água, pelos fertilizantes, insecticidas, fungicidas, pesticidas e agro-tóxicos em geral. Na realidade a tecnologia, que, ligada à finança, pretende ser a única solução dos problemas, é incapaz de ver o mistério das múltiplas relações que existem entre as coisas e, por isso, às vezes resolve um problema criando outros.

21. Devemos considerar também a poluição produzida pelos resíduos, incluindo os perigosos presentes em variados ambientes. Produzem-se anualmente centenas de milhões de toneladas de resíduos, muitos deles não biodegradáveis: resíduos domésticos e comerciais, detritos de demolições, resíduos clínicos, electrónicos e industriais, resíduos altamente tóxicos e radioactivos. A terra, nossa casa, parece transformar-se cada vez mais num imenso depósito de lixo. Em muitos lugares do planeta, os idosos recordam com saudade as paisagens de outrora, que agora vêem submersas de lixo. Tanto os resíduos industriais como os produtos químicos utilizados nas cidades e nos campos podem produzir um efeito de bioacumulação nos organismos dos moradores nas áreas limítrofes, que se verifica mesmo quando é baixo o nível de presença dum elemento tóxico num lugar. Muitas vezes só se adoptam medidas quando já se produziram efeitos irreversíveis na saúde das pessoas.

A TERMINAR MÊS DE ORAÇÃO PELA PROTECÇÃO DOS OCEANOS

Oração

Pai de bondade,
criaste o mundo para nós
e confiaste aos teus filhos a obra da criação.
Nós te pedimos perdão
por não sabermos cuidar da beleza que nos foi confiada
e usarmos de forma egoísta e irrefletida
os recursos que necessitamos para viver.
Pedimos-te perdão pela nossa falta de sensibilidade e amor
para com a natureza e para com os teus filhos e filhas
que sofrem as consequências das nossas más opções.
Dá-nos luz para optarmos decididamente pela defesa da criação,
fazendo tudo o que está ao nosso alcance para fazer da Terra
o lugar de beleza que sonhaste para nós.
Pai-Nosso...

SE CUMPRIRDES OS MEUS MANDAMENTOS

Se cumprirdes os meus mandamentos
permanecereis no meu amor.
Se guardardes a minha palavra
ficareis em Mim e Eu em vós.

Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós:
o que permanece em Mim e Eu nele / esse dá muito fruto.

O meu mandamento é este:
que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei.

Digo-vos isto para que a minha alegria esteja em vós
e a vossa alegria seja completa.

Amemo-nos uns aos outros porque o amor vem de Deus
e todo aquele que ama nasce de Deus e conhece-O.

Não fomos nós que amámos a Deus:
foi Ele que nos amou /
e enviou o sue Filho como propiciação pelos nossos pecados.

Se Deus nos amou tanto,
também nos devemos amar uns aos outros.

C. Silva 

«PARA QUE CONTES AOS TEUS FILHOS E AOS TEUS NETOS. A VIDA FAZ-SE HISTÓRIA»

O Papa divulgou este sábado o tema para o 54º dia mundial das Comunicações Sociais “Para que contes aos teus filhos e aos teus netos. A vida faz-se história”, a ser celebrado no dia 02 de junho de 2020. 

A sala de imprensa da Santa Sé divulgou este sábado o tema “extraído de uma passagem do Livro do Êxodo (10,2)” e em que o Papa “afirma que a herança da memória é particularmente preciosa na comunicação”. 

Francisco recordou muitas vezes, que não há futuro sem o enraizamento na história vivida. Desta forma,  leva-nos a entender que a memória não deve ser considerada um “corpo estático”, mas uma “realidade dinâmica”. 

“Através da memória, se dá a transmissão de histórias, esperanças, sonhos e experiências de uma geração à outra”, pode ler-se.

O tema recorda que “toda história nasce da vida, do encontro com o outro” e Francisco apontou o exemplo das parábolas, histórias contadas por Jesus, em que foi dada “liberdade para as escutar, aceitar ou transmitir”.

“A força de uma história é expressada pela capacidade de gerar mudanças. Uma história exemplar, tem uma força transformadora. É o que experimentamos quando nos deparamos, através da história, com a vida dos Santos”, reforça.

O Papa pediu ainda para que todos possam “frutificar o talento”, fazendo da comunicação um meio para “construir pontes, unir e partilhar a beleza de ser irmãos num tempo marcado por contraposições e divisões”.

DIA MUNDIAL DOS MIGRANTES E REFUGIADOS


O Papa alertou hoje no Vaticano para as consequências da “globalização da indiferença” diante de milhões de pessoas em situações de sofrimento e necessidade, falando durante a Missa a que presidiu no Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados.

“Como cristãos não podemos permanecer indiferentes diante do drama das velhas e novas pobrezas, das solidões mais sombrias, do desprezo e da discriminação de quem não pertence ao “nosso” grupo. Não podemos permanecer insensíveis, com o coração anestesiado, diante da miséria de tantos inocentes. Não podemos não chorar. Não podemos não reagir”, declarou, na homilia da celebração que reuniu milhares de pessoas na Praça de São Pedro.
(...)
O Senhor pede-nos que ponhamos em prática a caridade para com eles; pede-nos que restauremos a sua humanidade, juntamente com a nossa, sem excluir ninguém, sem deixar ninguém de fora”.

domingo, 29 de setembro de 2019

D. VITORINO SOARES - NOVO BISPO AUXILIAR DO PORTO

O novo bispo auxiliar do Porto manifestou hoje a sua solidariedade para com as pessoas e os projetos diocesanos e agradeceu a presença de todos na catedral, afirmando que leva todos no coração, a “insígnia” episcopal “mais importante”.

“Estamos convidados a tomar conta uns dos outros. A renovação não deve meter medo”, afirmou D. Vitorino Soares no fim da celebração de ordenação episcopal, após ter saudado todos os presentes no interior da Sé do Porto, nos claustros e no terreiro exterior.

“Quanto mais Deus pede de mim, mas pequenino me descubro e me reconheço. Embora hoje mais confiante por estar entre esta família”, acrescentou o novo bispo auxiliar do Porto.

D. Vitorino Soares expressou a gratidão pela nomeação do Papa Francisco e disse que, com “cooperação e compreensão de todos”, deseja “contribuir para a realização do sonho que o Senhor da Messe tem para a Diocese do Porto”.

Dirigindo-se ao clero diocesano, referiu que todos estão “na mesma barca”, embora nem todos “possam ser timoneiros”.

“Tenhamos paciência juntos, para que, com responsabilidade e diálogo promovido, encontremos juntos o melhor caminho”, acrescentou.

O novo bispo auxiliar do Porto valorizou os “gestos simples e humanos” e disse que a “misericórdia é tarefa de quem é superior”, recordando depois a família e as comunidades que serviu desde que foi ordenado padre, há 34 anos, garantindo que, agora como bispo, continua “a mesma pessoa”.

D. Vitorino Soares quer continuar a ter a família como “retaguarda afetiva” e referiu que a leva no anel episcopal, insígnia que recebeu durante a ordenação.

O báculo, a mitra e outras insígnias que caraterizam o ministério episcopal foram lembradas pelo novo bispos auxiliar do Porto a respeito das comunidades e locais onde exerceu o seu ministério.

O novo bispo auxiliar do Porto agradeceu a todos os que quiseram participar na celebração de ordenação episcopal, afirmando que a todos leva no coração, que considera “a insígnia mais importante de todas”.

D. Vitorino Soares foi nomeadobispo auxiliar do Porto no dia 17 de julho pelo Papa Francisco; como sacerdote da diocese, Vitorino Soares trabalhou no Seminário do Bom Pastor, entre 1984 e 1987, e no Seminário Maior, entre 1989 e 1994.

Capelão militar de 1987 a 1989, o padre Vitorino dedicou 10 anos do seu trabalho pastoral aos jovens, sendo diretor do Secretariado Diocesano da Juventude entre 1989 1999.

Em 1994 assumiu a paróquia de Castelões de Cepeda, em Paredes, e em 1999 a de Madalena, na mesma vigararia.

S. MIGUEL, S. GABRIEL e S. RAFAEL, Arcanjos

ORAÇÃO
Lá do alto enviai-nos, ó Cristo, 
vosso anjo da paz, São Miguel. 
A sua preciosa ajuda 
fará o vosso povo crescer fiel; 
na prosperidade e na paz. 
Envia-nos Gabriel, o anjo forte na luta, 
para que o nosso templo sagrado visite, 
lance fora o antigo inimigo 
e, propício, connosco habite. 
Enviai-nos dos céus Rafael, 
o bom anjo que cura os doentes, 
para a todos os males sarar 
e curar a doença das mentes. 
Cristo, glória dos coros celestes, 
que os vossos anjos nos venham guiar, 
para, unidos a eles um dia, 
glória eterna ao Deus Trino cantar. 

São Miguel, São Gabriel e São Rafael, 
rogai por nós.

sábado, 28 de setembro de 2019

FOLHA DOMINICAL: informações e reflexões importantes para toda a comunidade

DOMINGO XXVI DO TEMPO COMUM - Ano C

SALMO RESPONSORIAL Salmo 145 (146), 7-10 (R.1b)
Refrão: Ó minha alma, louva o Senhor.

O Senhor faz justiça aos oprimidos,
dá pão aos que têm fome
e a liberdade aos cativos.

O Senhor ilumina os olhos dos cegos,
o Senhor levanta os abatidos,
o Senhor ama os justos.

O Senhor protege os peregrinos,
ampara o órfão e a viúva
e entrava o caminho aos pecadores.

O Senhor reina eternamente.
O teu Deus, ó Sião,
é Rei por todas as gerações.

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

SEXTA-FEIRA DA SEMANA XXV DO TEMPO COMUM

EVANGELHO: LC 9, 18-22
Um dia, Jesus orava sozinho, estando com Ele apenas os discípulos. Então perguntou-lhes: «Quem dizem as multidões que Eu sou?». Eles responderam: «Uns, João Baptista; outros, que és Elias; e outros, que és um dos antigos profetas que ressuscitou». Disse-lhes Jesus: «E vós, quem dizeis que Eu sou?». Pedro tomou a palavra e respondeu: «És o Messias de Deus». Ele, porém, proibiu-lhes severamente de o dizerem fosse a quem fosse e acrescentou: «O Filho do homem tem de sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos príncipes dos sacerdotes e pelos escribas; tem de ser morto e ressuscitar ao terceiro dia».~

Rezar a Palavra
Senhor, quero contemplar-te no mistério da Paixão, para encontrar, no sofrimento do corpo entregue e do sangue derramado, os sinais do Messias salvador. Quero prender-me ao mistério que me salva e reconhecer-te como caminho de ressurreição e de vida. Não quero seguir pelo caminho fácil dos que sabem tudo sobre ti mas não te reconhecem no crucificado, nem quero viver sem a cruz que me ofereces como caminho de vida eterna.

Compromisso
No silêncio de uma Igreja ou do meu quarto, contemplo Cristo na Cruz na busca do Messias que me salva.

VAI COMEÇAR A CATEQUESE

Sábado, 28 de Setembro, começa a catequese para todos os catecismos, no Centro Paroquial, nos horários que já foram comunicados aos pais.

Que este novo ano se inicie com muita alegria e esperança, cumprindo o verdadeiro objectivo desta caminhada de catequese cuja "finalidade definitiva é levar à comunhão com Jesus Cristo: só Ele pode conduzir ao amor do Pai no Espírito e fazer-nos participar da vida da Santíssima Trindade. Todo o catequista deveria poder aplicar a si mesmo a misteriosa Palavra de Jesus: ‘A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou’ (Jo 7,16)” (NCIC, 426-427).

A catequese não é uma aula de religião mas o ensinamento essencial da fé, não apenas da doutrina como também da vida, levando a uma consciente e activa participação do mistério litúrgico e irradiando uma acção apostólica.

BOA CATEQUESE! 💗

APRENDER A DIZER SIM

«Say Yes" é um projeto destinado à Catequese com a Adolescência rumo à JMJ Lisboa 2022.

O Secretariado Diocesano da Catequese (SDC) do Porto prepara já a criação de “três centros de encontro e formação, em diferentes locais da diocese para ajudar a acompanhar e implementar o projeto”,

“A ideia passa por criar uma rede de partilhas de experiências, de materiais e de interajuda, entre as várias paróquias e fazer formação de catequistas da adolescência.

O primeiro encontro realiza-se já no próximo dia 28 de setembro no Centro Pastoral de Amarante, das 9h30 às 12h30 e no Seminário de Vilar das 15h00 às 18h00.

A 12 de outubro nova formação, desta feita no Centro Paroquial de São João da Madeira das 17h00 às 20h00.


Os catequistas da nossa Paróquia que desejarem participar devem dar conhecimento ao Secretariado da Catequese e enviar quanto antes as fichas de inscrição que podem encontrar aqui:

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

QUINTA-FEIRA DA SEMANA XXV DO TEMPO COMUM

EVANGELHO: LC 9, 7-9
Naquele tempo, o tetrarca Herodes ouviu dizer tudo o que Jesus fazia e andava perplexo, porque alguns diziam: «É João Baptista que ressuscitou dos mortos». Outros diziam: «E Elias que reapareceu». E outros diziam ainda: «É um dos antigos profetas que ressuscitou». Mas Herodes disse: «A João mandei-o eu decapitar. Mas quem é este homem, de quem oiço dizer tais coisas?». E procurava ver Jesus.
(...)
Rezar a Palavra
Muitos perguntam quem tu és, Senhor. Às vezes até me fazem essa pergunta a mim. Tenho sempre muita dificuldade em dar uma resposta e sobretudo tenho receio de errar na resposta, não dizendo tudo quanto é importante dizer. Hoje ensinas-me que a resposta às perguntas das pessoas sobre a tua identidade está na minha vida. Se eu me lançar na aventura de realizar os gestos e anunciar as palavras que tu nos deixaste, o mundo vai entender quem tu és. Tu és aquele que liberta o homem das suas enfermidades, das suas prisões e abre caminhos novos de esperança para os que, ouvindo a tua palavra, crêem em ti. Dá-me coragem para fazer da minha vida um verdadeiro testemunho para que todos queiram ver-te.

Compromisso
Quero assumir um compromisso na minha comunidade, pondo-me ao serviço de Jesus e da sua Boa Nova.

ENCERRAMENTO DA CAMINHADA SOLIDÁRIA POR PEMBA

A celebração da Eucaristia encerrou a Caminhada Solidária para a reconstrução de Pemba. Neste belo cenário em que por trás do altar nos aparece a cidade, dando-nos a sensação de que ela "entra" nesta espaço celebrativo ornado com as cores missionárias. 
Sala cheia, o Coro anima a celebração e a assembleia acompanha os cânticos projectados por cima do altar. Saudação e acolhimento do Rev. Padre Jerónimo, seguindo-se a visualização de um pequeno filme sobre Pemba.  
Bem a propósito, neste domingo a liturgia sugeria uma reflexão sobre o lugar que o dinheiro e os outros bens materiais devem assumir na nossa vida. Dando-nos certeza que a missão assume uma importância e responsabilidade acrescidas, pois é necessário que o dinheiro seja bem usado e chegue a quem mais precisa, para resolver problemas que tantas vezes são da própria sobrevivência. 
Missão é também constituir família, cuidar dela, zelar pelo amor, fazê-lo amadurecer e crescer. E foi bonito neste dia, um casal com os seus dois filhos estar aqui a celebrar os seus 25 anos de matrimónio
Partir é missão para muitos, que vão e vêm acumulando saberes de experiências feito. Assim tem acontecido com este jovem casal, que também veio dar testemunho dessa felicidade que é dar, mais do que receber e, mais do que contribuir para uma qualquer reconstrução, ter a certeza que se é reconstruido por dentro, na alma e no coração.
As ofertas de todos entregues no Altar do Senhor, e os meninos da Infância Missionária na frente, felizes, entregam os seus pequenos mealheiros, tendo assim cumprido a missão a que se propuseram. 
Que as orações e ofertas deste povo crente aqui reunido, elevadas ao céu pelas mãos dos sacerdotes, sejam por Deus aceites e que a fé de cada um seja no coração fortalecida. 
A estimativa final do valor recolhido nesta Caminhada Solidária crê-se que andará por cerca de 12.000 Euros. Já foram enviados para a Paróquia de Maria Auxiliadora em Pemba, 3.000 Euros e o restante seguirá em breve. Aquela Paróquia fará a gestão dos valores enviados, e levará a ajuda necessária aos mais pobres dos pobres que poderão reconstruir as suas casas.  
A quantos ajudaram nesta campanha solidária deixamos também o nosso agradecimento e que Deus a todos encha das suas bênçãos. 

RECONSTRUIR PEMBA - CAMINHAR POR UMA BOA CAUSA

Chegada ao Centro Paroquial de Canidelo, com o Pe. Jerónimo a fazer o acolhimento a todos os participantes e mais uma vez agradecer a colaboração dos Escuteiros de Oliveira do Douro, Bombeiros de Valadares, Liga das Associações de Socorro Mútuo, e a quantos participaram e contribuíram das mais variadas formas para o sucesso deste dia.
 
Escutamos depois o testemunho da Irmã Isabel, e da sua experiência de missão em Moçambique.
Seguindo-se o ponto alto deste dia com a celebração da Eucaristia, que começou solenemente em procissão no exterior. 
A Paróquia de Canidelo tem aqui um belíssimo espaço, muito bem integrado na paisagem e com a vista que nos é dado ver, sem sombra de dúvida que foi uma ideia feliz chamar a este local: "Cidade de Deus e dos homens"!
Ainda que alguns participantes na caminhada não lhes tenha sido possível participar na caminhada, a maioria estava presente e houve ainda mais gente que, não podendo caminhar veio depois celebrar. 
Presença de vários sacerdotes neste domingo para a celebração, e dos quais destacamos o Pe. Alípio Barbosa, director do Secretariado Diocesano das Missões do Porto, Pe. Almiro Mendes, Pároco de Canidelo e o Pe. Jerónimo. 
Os meninos da Infância Missionária da nossa Paróquia estiveram presentes e entregaram no ofertório os mealheiros onde ao longo do ano foram depositando as suas moedas. Também muitas pessoas que participam na Missa na Capela de S. Caetano contribuíram para esta causa e deixam nos mealheiros a sua generosa contribuição. 
A celebração foi animada por um excelente Coro, composto por elementos de várias Paróquias que  ajudaram e participaram na realização desta caminhada solidária. 

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

CAMINHADA SOLIDÁRIA PARA A RECONSTRUÇÃO DE PEMBA

Com a participação de um grande número de inscritos, realizou-se no passado domingo, 22 de Setembro, a Caminhada Solidária, organizada pelo Grupo Missionário da Vigararia de Gaia Norte, que visou angariar fundos para ajuda à reconstrução de Pemba, em Moçambique.
Naturalmente que para se organizar esta iniciativa foi necessário que várias entidades, e principalmente muitas pessoas,  se dispusessem a colaborar. 
E, bem cedo, os voluntários desta causa, depois de todo o trabalho realizado para aqui chegar, lá estavam a acolher os participantes. Uns na "linha da frente", outros menos visíveis mas não menos importantes. 
O Pe. Jerónimo dirigiu uma saudação amiga a todos e lembrou a importância destas acções, também como alerta pelo clima. Este é o mês em que a pedido do Papa rezamos pelo cuidado da criação, estando também a ser realizada este fim-de-semana, na ONU, a Cimeira  da Acção Climática e manifestações em todo o mundo.
É crucial reflectir sobre a crise ecológica que afecta o mundo inteiro, que é um apelo a uma profunda conversão interior e tem também como exigência uma mudança séria no nosso estilo de vida. Por isso, foi em oração que se iniciou esta caminhada.
Num dia que se anunciava de chuva, ninguém esperava uma manhã tão radiosa, em que as nuvens se foram dissipando e deram lugar a um belo céu azul e límpido. 
Caminhar é, sem dúvida, tempo para bons momentos de confraternização  e conhecer outras pessoas que comungam dos mesmos ideais.
O mar como pano de fundo e toda a paisagem envolvente é uma mais-valia em qualquer circunstância, e ainda  melhor atractivo para uma boa caminhada. 
O grupo de caminheiros ao longo do percurso foi-se dividindo, pois há sempre os que caminham mais depressa, mas a distância entre uns e outros nunca foi demasiada.
Porque caminhar em grupo é também solidarizar-se com quem fica mais para trás, por força da idade ou qualquer outra circunstância, espera-se por quem ainda não chegou enquanto se toma um cafézinho...
Ou, então, aproveita-se para saborear o lanche da manhã que ajuda a retemperar forças, pôr a conversa em dia... apreciar as ondas e respirar a maresia. 
É assim de pequenas e grandes coisas que se compõe uma caminhada. E ainda que o percurso não fosse demasiado longo nem difícil, é sempre bom partilhar e dar ânimo a quem precisa.
O Agrupamento de Escuteiros de Oliveira do Douro ajudou na sinalização e orientação da caminhada, bem como os Bombeiros Voluntários de Valadares, prontos para alguma situação que pudesse ocorrer. Presença ainda da Liga das Associações de Socorro Mútuo de Vila Nova de Gaia que ofereceu também as t´shirts. 
Já na recta final os últimos caminheiros desta caminhada solidária estão a chegar. Foi uma boa experiência, com excelente organização, participantes de todas as faixas etárias e ninguém ficou pelo caminho, graças a Deus!
Na Paróquia de Canidelo, no complexo ali erguido e denominado - Cidade de Deus e dos homens -  foi o local ideal para no final da caminhada os participantes celebrarem em festa, ESTE DIA DO SENHOR!