sexta-feira, 31 de maio de 2019

MAGNIFICAT

A minha alma glorifica o Senhor
E o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.

Porque pôs os olhos na humildade da sua Serva:
De hoje em diante me chamarão bem aventurada todas as gerações.
O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas:
Santo é o seu nome.

A sua misericórdia se estende de geração em geração
Sobre aqueles que o temem.
Manifestou o poder do seu braço
E dispersou os soberbos.

Derrubou os poderosos de seus tronos
E exaltou os humildes.
Aos famintos encheu de bens
E aos ricos despediu de mãos vazias.

Acolheu a Israel, seu servo,
Lembrado da sua misericórdia,
Como tinha prometido a nossos pais,
A Abraão e à sua descendência para sempre

Glória ao Pai e ao Filho
E ao Espírito Santo,
Como era no princípio,
Agora e sempre.
Ámen.

53º DIA DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS - 2 DE JUNHO

 “Somos membros uns dos outros” (Ef 4, 25):
das comunidades de redes sociais à comunidade humana »
(...)
Hoje, o ambiente dos mass-media é tão invasivo que já não se consegue separar do círculo da vida quotidiana. A rede é um recurso do nosso tempo: uma fonte de conhecimentos e relações outrora impensáveis. Mas numerosos especialistas, a propósito das profundas transformações impressas pela tecnologia às lógicas da produção, circulação e fruição dos conteúdos, destacam também os riscos que ameaçam a busca e a partilha duma informação autêntica à escala global. Se é verdade que a internet constitui uma possibilidade extraordinária de acesso ao saber, verdade é também que se revelou como um dos locais mais expostos à desinformação e à distorção consciente e pilotada dos factos e relações interpessoais, a ponto de muitas vezes cair no descrédito.
(...)
A rede é uma oportunidade para promover o encontro com os outros, mas pode também agravar o nosso autoisolamento, como uma teia de aranha capaz de capturar. Os adolescentes é que estão mais expostos à ilusão de que a social web possa satisfazê-los completamente a nível relacional, até se chegar ao perigoso fenómeno dos jovens «eremitas sociais», que correm o risco de se alhear totalmente da sociedade. Esta dinâmica dramática manifesta uma grave rutura no tecido relacional da sociedade, uma laceração que não podemos ignorar.
(...)
«Somos membros uns dos outros»

Pode-se esboçar uma resposta a partir duma terceira metáfora – o corpo e os membros – usada por São Paulo para falar da relação de reciprocidade entre as pessoas, fundada num organismo que as une. «Por isso, despi-vos da mentira e diga cada um a verdade ao seu próximo, pois somos membros uns dos outros» (Ef 4, 25). O facto de sermos membros uns dos outros é a motivação profunda a que recorre o Apóstolo para exortar a despir-se da mentira e dizer a verdade: a obrigação de preservar a verdade nasce da exigência de não negar a mútua relação de comunhão. Com efeito, a verdade revela-se na comunhão; ao contrário, a mentira é recusa egoísta de reconhecer a própria pertença ao corpo; é recusa de se dar aos outros, perdendo assim o único caminho para se reencontrar a si mesmo.
(...)
O panorama atual convida-nos, a todos nós, a investir nas relações, a afirmar – também na rede e através da rede – o caráter interpessoal da nossa humanidade. Por maior força de razão nós, cristãos, somos chamados a manifestar aquela comunhão que marca a nossa identidade de crentes. De facto, a própria fé é uma relação, um encontro; e nós, sob o impulso do amor de Deus, podemos comunicar, acolher e compreender o dom do outro e corresponder-lhe.
(...)
Assim, podemos passar do diagnóstico à terapia: abrir o caminho ao diálogo, ao encontro, ao sorriso, ao carinho... Esta é a rede que queremos: uma rede feita, não para capturar, mas para libertar, para preservar uma comunhão de pessoas livres. A própria Igreja é uma rede tecida pela Comunhão Eucarística, onde a união não se baseia nos gostos [«like»], mas na verdade, no «amen»com que cada um adere ao Corpo de Cristo, acolhendo os outros.


ESTA É MESMO A REDE QUE QUEREMOS...?

A sociedade cada vez mais “conectada”, virtualmente, mas sem sentido de relação, foi hoje apresentada em Lisboa como um desafio para a Igreja e os media, a partir de uma mensagem do Papa sobre as comunidades digitais e humanas.

Nelson Ribeiro, professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa (UCP), referiu no auditório da Rádio Renascença, que as empresas que gerem os media sociais têm como objetivo o “lucro”, pelo que é preciso torna rentável, por exemplo, o combate às “fake news”.

“Nós trabalhamos gratuitamente para o Facebook”, acrescentou, num debate promovido pelo Secretariado Nacional das Comunicações Sociais sobre o tema ‘Esta é a rede que queremos’, apresentando o Dia Mundial das Comunicações Sociais (DMCS) 2019, que se celebra este domingo.
(...)
Para o repórter italiano, é necessário construir uma “comunidade de pessoas” e não uma “opinião pública”, sujeita a “manipulação de informações” e à “desumanização” das figuras de quem não se gosta.
Nelson Ribeiro observou que o Papa Francisco tem ajudado a problematizar “a forma como a comunicação humana se opera”, nos media sociais, realçando que os jovens são hoje “inesperáveis” da tecnologia.

VISITA PASTORAL A VILAR DO PARAÍSO

ENCONTRO COM AS COLETIVIDADES
Ontem, terminámos o segundo dia da visita pastoral com o encontro das coletividades que teve lugar na Academia de Música de Vilar do Paraíso. Estiveram presentes Entre Parentes, Grupo Dramático, ACRAV e Rancho. Muito obrigado a todos.

VISITA PASTORAL - Eucaristia na Capela do Bom Jesus do Monte e S. Caetano

Porque não é todos os dias que recebemos um Bispo, na Capela de S. Caetano, registamos o momento com muita alegria.
QUINTA-FEIRA da semana VI do Tempo Pascal (quinta-feira da Ascenção), dia festivo com tarde luminosa, que naturalmente mereceu procissão.
Cantando com o Coro: "Cantai com alegria, Jesus ressuscitou. Ó Homem tem confiança, a vida triunfou. " cântico festivo deste Tempo Pascal,  assim se deu inicio à celebração. 
D. Armando dirigiu a sua saudação a toda a assembleia, referindo que é com muita alegria que está junto da comunidade de Vilar do Paraíso, partilhando de seguida algumas das experiências já vividas nas visitas feitas,  nomeadamente com crianças e idosos. 
 LEITURA I Actos 18, 1-8 
(...) «A partir de agora, vou dirigir-me aos gentios». Saiu dali e foi para casa de Tício Justo, homem que adorava a Deus e morava junto da sinagoga. Entretanto, Crispo, chefe da sinagoga, acreditou no Senhor, ele e a sua família, e muitos coríntios que ouviam a palavra de Paulo abraçavam também a fé e recebiam o Baptismo.»
 SALMO RESPONSORIAL Salmo 97 (98), 1.2-3ab.3cd-4 (R. cf. 2b) 
Refrão: Diante dos povos, manifestou Deus a salvação. 
 EVANGELHO Jo 16, 16-20 
Jesus percebeu que O queriam interrogar e disse-lhes: «Procurais entre vós compreender as minhas palavras: ‘Daqui a pouco já não Me vereis e pouco depois voltareis a ver-Me’. Em verdade, em verdade vos digo: Chorareis e lamentar-vos-eis, enquanto o mundo se alegrará. Estareis tristes, mas a vossa tristeza converter-se-á em alegria». 
Na homilia, que iniciou aqui, D. Armando olhando a pequena assembleia que participou nesta celebração, lembrou que isso não é problema nenhum, referindo que a evangelização de S. Paulo começou de forma modesta e quase pessoa a pessoa. 
E para nos recordar isso mesmo, veio até ao âmbão onde leu algumas passagens da primeira leitura, que nos recordavam isso mesmo. Praças cheias e grandes multidões multidões eram muito poucas. Por isso, o importante é que cada baptizado tenha consciência que é missionário, e que nessa condição com os seus dons faça na Igreja e fora dela o melhor.
" Eis-me aqui,  Eis-me aqui,  Senhor aqui estou!
Eis-me aqui,  Eis-me aqui,  Senhor aqui estou!"
 "Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos. 
Eu estou sempre convosco. "
Bênção final desta celebração. Porque é Maio e D. Armando é também devoto de Nossa Senhora, o coro cantou: "Desde toda a eternidade. Sois a eleita do Senhor, Virgem Santa, Mãe de Deus, Te cantamos com fervor: Avé, Avé, Avé Maria Avé, Avé, Avé Maria. 
Com a sua simpatia e cordialidade, D. Armando cativou todos os que estiveram presentes nesta celebração e fez questão de esperar na sacristia pelos elementos do coro para os felicitar pelo bom desempenho.
Desejamos a D. Armando as maiores felicidades e fazemos votos que, como Pastor e amigo, nos possa visitar mais vezes e celebrar a Eucaristia nesta Capela do Bom Jesus do Monte e S. Caetano. 

VISITA PASTORAL A VILAR DO PARAÍSO

 VISITA À ESCOLA DA JUNQUEIRA
 O MUNDO COM O MAPA DE ÁFRICA EM DESTAQUE
As crianças colocaram flores à volta do mundo 
E fizeram questão de também dar uma a D. Armando.
 Não é uma flor caída,
mas sim uma flor oferecida,
como sinal de esperança neste mundo
onde lançamos sementes de futuro.
💗

VISITA AO CENTRO SOCIAL S. PEDRO 
Depois de visitarmos as instalações, sentámo-nos à mesa partilhando o pão e a solidariedade. Ao D. Armando foi oferecida uma casula que ele usará na celebração eucarística do domingo.
💗

VISITA AO LAR S. CAETANO
Depois de rezar o terço, houve umas palavras breves com uma bênção.

quinta-feira, 30 de maio de 2019

VISITA PASTORAL A VILAR DO PARAÍSO

Desejando as boas-vindas
a D. Armando Domingues
Reunião com o Conselho de Pastoral,
fazendo a apresentação da Paróquia.
Membros
dos diversos movimentos presentes.
O Diácono Celestino faz a apresentação
da vida da Paróquia.
 A Xana faz a apresentação
da dimensão profética da Paróquia.
A Silvandira faz a apresentação 
da dimensão litúrgica da Paróquia.
O Professor Pimenta faz a apresentação 
do património da Paróquia.
A Virgínia faz a apresentação 
da dimensão sócio-caritativa da Paróquia.
Reflexão final do D. Armando.