Faça o seu DONATIVO à Paróquia de São Pedro de Vilar do Paraíso. NIB 0018 0000 1016 3256 0017 5, IBAN 001800001016325600175 (Fábrica da Igreja Vilar do Paraíso). Se desejar recibo para efeitos de IRS, envie e-mail para: parocovp@gmail.com. Muito obrigado! Continuação de SANTAS FESTAS PASCAIS.

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

SÍNODO SAIU À RUA PARA PEREGRINAÇÃO DE JOVENS E BISPOS

O Vaticano promoveu hoje uma peregrinação que uniu bispos e jovens participantes no Sínodo 2018, num percurso de seis quilómetros, por caminhos de montanha e pelas ruas de Roma, até ao túmulo de São Pedro, onde foram recebidos pelo Papa.

D. Rino Fisichella, presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé), que organizou a iniciativa, explicou à Agência ECCLESIA que a peregrinação nasceu da ideia de mostrar “uma Igreja a caminho”, para levar o Sínodo à rua, num percurso que evoca a história das peregrinações, ao longo de todos os séculos do Cristianismo.

O arcebispo de Nampula (Moçambique), D. Inácio Saúre, referiu por sua vez que é “muito importante ter os bispos a caminhar junto com os jovens”.

“O destino desta peregrinação é o túmulo de Pedro e, como bispos, estamos juntamente com o sucessor de Pedro, o Santo Padre, junto do qual vamos fazer a nossa profissão de fé, para renovarmos a nossa comunhão”, observou.

Para D. Gabriel Mbilingui, arcebispo do Lubango (Angola), foi importante reavivar o sentido da peregrinação, “que afinal é um caminho”.

“No fundo, o Sínodo é caminhar, caminhar juntos, indo na mesma direção, com o apoio uns dos outros”, precisou, elogiando a recuperação do “espírito do Sínodo”, como momento para caminhar juntos e sentir-se “irmãos”, que têm Cristo como seu “guia”.

“É, sobretudo, ocasião para reavivar a minha vocação, enquanto bispo, e o meu espírito de comunhão, dentro desta chamada sinodalidade”, acrescentou.

O arcebispo angolano mostra-se satisfeito pelo trabalho já realizado em três semanas de reflexão sobre os jovens, “o símbolo da força, da energia, da alegria e da disponibilidade para seguir o Senhor”.

“O que nós fazemos, no fundo, nesta peregrinação é seguir o Senhor, no caminho que o leva à Cruz, que significa dom da própria vida, para a nossa salvação, é um caminho que deixa à própria Igreja”, concluiu.

Sem comentários: